Divulgação
Divulgação

Aluguel de roupas para bebês: a ideia de uma empresa inovadora que deu errado

Negócio inovador criado nos Estados Unidos fracassou em janeiro deste ano

daniel fernandes, estadão pme,

14 de março de 2012 | 06h15

 A ideia era simples, inovadora e com tremendo potencial para prosperar. Uma empresa norte-americana, com sede em São Francisco, oferecia aos potenciais clientes a seguinte oferta: mediante o pagamento de uma quantia mensal - a partir de US$ 33 -,  recebiam alguns conjuntos de roupas para os bebês.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Os pais vestiam seus bebês durante um tempo e, quando os conjuntos não serviam mais, os devolviam para a empresa. A Plum (ameixa em inglês), nome dado ao negócio iniciado em 2011, então emprestava os conjuntinhos para outras mães interessadas em economizar na compra desses itens.

>> Leia também: as mamães estão mais exigentes

Em 24 de janeiro deste ano, no Facebook, a empresa anunciou que encerraria suas atividades. O comunicado era claro quanto ao motivo do fracasso da empreitada. Tratava-se de uma ideia nova, mas que infelizmente não se sustentava financeiramente."Foi uma decisão muito difícil e vamos sentir falta de todos os nossos queridos fãs e consumidores".

A lamentação desses fãs/consumidores foi imediata. "Acredito que vocês estavam à frente do tempo. Sorte na próxima aventura", afirmou uma fã. "Uma grande ideia. Pena que não deu certo", escreveu outra.

Mas o que deu errado?

Pode-se especular que houve falta de planejamento inicial. Mas talvez a resposta seja outra. Um negócio bastante famoso nos Estados Unidos é o baby planner - uma espécie de consultoria que ajuda a gestante a escolher todo tipo de produto e serviço de que a criança pode precisar. Do berço até a creche.

Esse tipo de personalização começa a ganhar espaço no País e uma consulta de duas horas com uma dessas empresas que oferece o serviço no Brasil não sai por menos de R$ 380. Talvez o comentário na página do Facebook da Plum tenha acertado em cheio: os consumidores buscam exclusividade, não compartilhar produtos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.