Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Alexandre da Costa, dono da Cacau Show: "a gente nunca chega lá"

A maior rede de chocolates finos do País nasceu de um erro. E foi idealizada por um jovem de 17 anos. O que poderia ser a receita para o fracasso, resultou em uma empresa que produz mais de 12 mil toneladas de chocolate por ano para abastecer 1.050 lojas e com faturamento estimado em R$ 1 bilhão.

Ligia Aguilhar, Estadão PME,

30 de agosto de 2011 | 23h10

Alexandre Tadeu da Costa, hoje com 41 anos, tomou a iniciativa que culminaria na abertura da Cacau Show na Páscoa de 1988. Após aceitar uma encomenda de 2 mil ovos de 50 gramas, o empresário descobriu que a fábrica da qual era cliente não produzia o produto com o peso necessário. Mas ele não desistiu. Bateu na porta de vinte atacadistas até conhecer uma senhora que fazia chocolate caseiro e que o ajudou a entregar o pedido em apenas três dias.

Munido de trufas e conselhos, Costa se reuniu com dez empreendedores à convite do Estadão PME para trocar experiências.  Confira abaixo os principais trechos do encontro.

::: Veja a galeria de fotos do Encontro PME :::

Sucesso

Costa brinca que o seu maior acerto foi justamente ter errado ao aceitar a encomenda de ovos de Páscoa em um tamanho não convencional. No entanto, ele afirma que se não tivesse tido comprometimento com o cliente e persistência para encontrar uma pessoa que o ensinasse a fabricar os ovos, a Cacau Show não existiria. “Não existe essa história de toque de Midas. São um monte de pequenas coisas que constroem uma história de sucesso”, diz.

Determinado, ele cria novas metas constantemente para evitar a zona de conforto. “A gente nunca chega lá. Se eu achar isso, será o começo do fim”, analisa.

Estratégia

O dono da Cacau Show percebeu que só conseguiria vender chocolate de qualidade com preços baixos se ganhasse em escala. “Como morava com meus pais e não precisava de muito dinheiro, investi tudo na empresa até fechar a equação e conquistar esse equilíbrio.”

Com o passar do tempo, o empresário investiu em cursos de qualificação, funcionários gabaritados e máquinas importadas para fabricar produtos que agradassem aos paladares mais exigentes. Hoje a Cacau Show tem produtos a preços entre R$ 0,70 e R$ 150. “O diferencial de uma empresa está no detalhe, no acabamento, na forma de colocar o produto na caixa”, explica.

Plano de negócios

Aos 17 anos, quando criou a Cacau Show, Costa não fazia ideia do que era um plano de negócios. Atualmente, porém, ele não toma qualquer decisão sem prever o retorno do investimento. Mas ele defende que os empreendedores saibam equilibrar razão e emoção. “Há empresas muito racionais, que só pensam no lucro e esquecem o lado humano”, afirma.

Durante o encontro, o empresário também destacou a importância do empreendedor aprimorar seu conhecimento para tomar melhores decisões. “Eu não terminei o terceiro grau, mas tive que fazer inúmeros cursos para me capacitar”, diz. “Quanto mais somos bem sucedidos, mais temos que aprender a fazer o que não gostamos”, conclui Costa, que precisou aprender a lidar com os balanços financeiros, mesmo odiando números.

Expansão e estabilidade

Costa se orgulha de dizer que a Cacau Show cresceu com nível baixo de endividamento. E ele sugere que pequenas empresas não comprometam o lucro com esse tipo de operação por um período maior do que um ano. “O Brasil ainda é o país onde se paga os maiores juros do mundo”, afirma o empresário, adepto da filosofia de comprar à vista para não dar um passo maior do que a perna. “Só adquiri o meu primeiro carro zero há dois anos.”

Funcionários

A falta de mão de obra qualificada e a dificuldade de identificar lideranças é um problema que comete a maioria das empresas. E não é diferente com a Cacau Show. Costa diz que também já cometeu erros e deu poder para pessoas que não estavam preparadas. Mesmo assim, ele defende a tese de que os funcionários devem receber promoções e benefícios com base na meritocracia. “Eu quero que todo mundo na Cacau Show saiba que amanhã pode estar no meu lugar, desde que seja competente.” O empresário sugere traçar metas e conceder benefícios para quem alcançá-las. “Todos precisam entender exatamente por que uma pessoa foi beneficiada o que precisam fazer para chegar lá”, analisa.

Sucessão

Costa ainda está longe de deixar o comando da Cacau Show, mas sabe o que fazer quando a hora chegar. “Eu só vou deixar meus filhos assumirem o negócio se eles forem bons para isso.” Para quem está passando por esse momento, o conselho do empreendedor é só deixar à frente da empresa pessoas competentes e preparadas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Tudo o que sabemos sobre:
EmpresasCacau ShowGestão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.