Ideia da empresa de Baer surgiu em casa
Ideia da empresa de Baer surgiu em casa

'Airbnb' para cachorro mira expansão da oferta no País

Fundador de startup brasileira estima que investimento recebido após um ano deve permitir para a empresa aumentar em vinte vezes faturamento de 2014

Vivian Codogno, Estadão PME,

26 de agosto de 2015 | 06h58

A startup DogHero, negócio brasileiro que tem a proposta de unir serviços de hospedagem para cães em residências e donos que buscam um lugar seguro para seus pets, completa um ano de funcionamento com aporte financeiro do fundo de investimento especializado em tecnologia Kaszek Ventures. 

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

A cláusula de confidencialidade no contrato impede a divulgação do valor investido, porém, Eduardo Baer, sócio-fundador da empresa, garante que o aporte vai possibilitar um crescimento do faturamento da empresa de vinte vezes em relação ao ano passado. “Atuamos com força em São Paulo e Rio de Janeiro. Com o reforço, pretendemos abrir mercado em Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba, Brasília, Campinas, Vitória, Florianópolis e Salvador”, conta o empresário. 

Baer já tem experiência com startups. Cofundador do aplicativo iFood, ele teve a ideia de montar a DogHero ao regressar de uma temporada de estudos na Universidade de Stanford. “Queria muito adotar um cachorro, mas minha esposa chamou minha atenção para o fato de que viajamos muito. Muitas vezes, em hotéis especializados, o cachorro fica triste, depressivo, perde peso, perde pelos. Há a solução de deixar com os amigos, mas nem sempre amigos estão disponíveis.” 

Após conversar com pessoas que enfrentam o mesmo problema, o empreendedor teve a ideia de criar uma rede social de pessoas que acolhem os animais em suas casas. Hoje, a DogHero já compreende 2 mil anfitriões e pretende fechar o ano com 15 mil. “Eles cuidam dos animais como se fossem donos. Levam para passear, brincam. O cachorro que está acostumado a dormir no sofá, dorme no sofá”, detalha Baer. 

A DogHero saiu do papel com investimento anjo de R$ 500 mil. “Montamos o aplicativo para operar em iOS e Android, criamos o site e começamos a expandir”, conta o fundador. Para se candidatar a anfitrião, é preciso preencher um questionário no próprio site da DogHero e esperar pela aprovação do empreendimento. O preço da hospedagem é acordado entre as partes e 25% do valor fica com a empresa de intermediação.

Mais conteúdo sobre:
petcachorroestadão pmestartup

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.