Divulgação
Divulgação

Ainda jovem, empreendedor domina a distribuição de vídeos online no Brasil

Gustavo Caetano mudou o foco da sua empresa, a Samba Tech. Era o começo do sucesso

CRIS OLIVETTE, OPORTUNIDADES,

01 de outubro de 2012 | 16h45

 Em 2004, Gustavo Caetano viu uma oportunidade de negócio na área de jogos para celular. Ele entrou no setor como revendedor master, representando uma empresa inglesa. Nascia assim a Samba Tech, que traz no nome seu orgulho por ser brasileiro. A empresa tem uma abelha como mascote porque tem as características que ele considera marcas da companhia: é pequena, rápida e muda de direção de forma ágil. Foi essa agilidade que fez o empresário alterar o foco em 2007.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Percebi que ser revendedor era arriscado e decidi criar tecnologia.” Caetano contratou um profissional e desenvolveu uma plataforma que hoje é líder no mercado oferecendo soluções para vídeos online. “Distribuímos 1 bilhão de mídias e atingimos um em cada dez usuários únicos de vídeo no País.” Em julho, aos 30 anos, ganhou o The Next Web Brazil Startup Awards.

O fundador da Samba Tech, empresa líder no gerenciamento e distribuição de vídeos online na América Latina, Gustavo Caetano, começou a empreender quando cursava a faculdade de marketing no Rio de Janeiro. “Em 2004, comprei um celular novo e tentei baixar alguns jogos, mas não consegui. Então pensei, se quero comprar e não tem ninguém vendendo, pode ser uma boa oportunidade de negócio.”

Caetano entrou em contato com alguns fabricantes e dois demonstraram interesse no mercado brasileiro. Nessa época, o mineiro tinha 23 anos. “Fiz um plano de negócio e fui para a Inglaterra. Voltei com a proposta de ser revendedor master no Brasil, mas não tinha dinheiro. Então, pedi a meu pai que me apresentasse um investidor.”

O empresário Almir Gentil, com negócios em Florianópolis, apostou na ideia e aportou US$ 100 mil.

“Montei uma salinha em Belo Horizonte com três funcionários e comecei a vender joguinhos para operadoras de celular, conquistando clientes em toda a América Latina.” O negócio gerou bons resultados e foram abertos escritórios em Buenos Aires e Santiago. Caetano, no entanto, enxergou um risco. “Em 2007, percebi que poderíamos ser esmagados pelas operadoras que cada vez exigiam uma divisão maior de receita”, conta o empresário que estudou gerência de produtos no Vale do Silício.

Foi assim que ele decidiu desenvolver uma tecnologia própria. “Contratei uma pessoa para criar o protótipo de uma plataforma que distribuísse vídeos para internet, por imaginar que essa seria a próxima onda. Queria criar uma tecnologia com um diferencial competitivo.”

Em 2008, a plataforma estava pronta e o empresário fechou o primeiro contrato com o Grupo Bandeirantes. “Assim que consegui esse cliente, busquei investimento para profissionalizar a ferramenta e ganhar escala, atraindo outros grandes clientes do mesmo segmento.” Caetano fechou negócio com um fundo de investimentos de Belo Horizonte que aportou R$ 5 milhões.

Em 2010, a Samba Tech já concentrava 80% dos principais grupos de mídia do País, como Globo, SBT e alguns grupos regionais. “Depois de 2010, passamos a atuar também na área de ensino à distância e educação corporativa. Hoje, atendemos o Boticário, por exemplo, que usa nossa ferramenta para treinar franqueados e vendedores.”

Caetano conta que a plataforma é semelhante ao YouTube. “A diferença é que ela dá o poder do conteúdo para o dono do vídeo. Além disso, converte os vídeos automaticamente para todos os formatos e tem proteção que impede cópias. Só quem tem permissão acessa o conteúdo, entre outras peculiaridades.”

Hoje, a empresa tem 60 funcionários e escritórios em Belo Horizonte, São Paulo, Buenos Aires e Miami. Segundo Caetano, ter foco num mercado específico foi um dos grandes aprendizados que teve em sua carreira empreendedora. “Também foi importante ter acreditado no que eu estava vendo no dia a dia do antigo negócio e ter tido flexibilidade para mudar. Foi assim que focamos num novo mercado e fizemos a empresa crescer.”

Tudo o que sabemos sobre:
OportunidadesnegóciosSamba Tech

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.