Agora investidor, Bill Gates pode se tornar o 1º trilionário do mundo

Agora investidor, Bill Gates pode se tornar o 1º trilionário do mundo

Aposentando da Microsoft, que ele criou, americano agora aplica em startups e multiplica sua fortuna à taxa de 11% ao ano

O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2017 | 12h27

Em 2006, o empreendedor Bill Gates deixava a Microsoft para uma feliz aposentadoria, garantida por um patrimônio estimado em US$ 50 bilhões. Dez anos depois, e apesar das muitas doações realizadas por meio da Fundação Bill e Melinda Gates, a fortuna do americano criador do sistema operacional Windows não só não se manteve, como segue crescendo exponencialmente. Um levantamento aponta que Gates poderá ultrapassar a casa dos US$ 1 trilhão em 25 anos, quando chegar aos 86 anos de idade.

O levantamento foi realizado pela Oxfam e leva em conta o crescimento estatístico do dinheiro do bilionário, que hoje estaria na casa dos US$ 75 bilhões (US$ 84 bilhões, segundo a revista Forbes) e permanece firme no jogo capitalista, investindo em aplicações no mercado financeiro global e na aceleração de empresas de tecnologia e com viés social.

Se confirmada a previsão, Bill Gates passaria a ser, quando chegar aos 86 anos de idade, o primeiro trilionário da história da humanidade.

Para entender esse quase crescimento orgânico de uma fortuna estratosférica, os pesquisadores da Oxfam empregaram a estatística. Segundo eles, nos últimos oito anos o crecimento médio do patrimônio dos bilionários, Bill Gates inclusive, obedece uma taxa de 11% ao ano. Daí você, leitor, pega R$ 75 bilhões ou R$ 84 bilhões (dependendo da fonte, mas isso não fará lá tanta diferença), multiplica por 1,11 ano a ano e, bingo, no fim dos 25 anos observe o resultado na tela de sua calculadora. 

Sempre lembrando que Bill Gates, além dos investimentos em empresas iniciantes e doações recorrentes, também assumiu o compromisso de doar mais da metade de sua fortuna, por meio do The Giving Pledge, criado por ele e outros empreendedores bilionários pelo mundo.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
empreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.