Reprodução
Reprodução

Agencia de câmbio de SP lança serviço para comprar e vender moedas pelo WhatsApp

Em duas semanas, 15% das transações já são realizadas pelo aplicativo de mensagens instantâneas comprado pelo Facebook

Renato Jakitas, O Estado de S.Paulo,

17 de novembro de 2014 | 18h06

O WhatsApp, aplicativo de mensagens instantâneas comprado pelo Facebook por singelos US$ 22 bilhões, ainda representa uma incógnita para o futuro da companhia, que até agora não definiu o que fazer para lucrar com o investimento. Mas isso não é problema para uma empresa local, uma agência de câmbio sediada na cidade de São Paulo e que acaba de lançar um serviço para rentabilizar com a alta penetração da tecnologia entre seus clientes.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A corretora Graco Exchange inaugurou há duas semanas um sistema para fazer operações de câmbio através do WhatsApp. O serviço, que permite a compra e venda de moedas pelo smatphone, serve tanto para o recarregamento dos cartões pré-pagos de débito quanto para encomendar um volume em moeda estrangeira.

"Permitimos que o consumidor consulte em tempo real as cotações, negocie as taxas e conclua a operação no mesmo contato", afirma Bruna Xavier Gomes, que é diretora de comunicação da empresa. "A gente já fazia operações por telefone, por máquinas, nosso site ou por e-mail. Mas o cliente, nos contatos com nosso agentes, perguntavam se poderiam nos consultar também pelo WhatsApp", revela.

Para realizar uma transação, a empresa solicita um cadastro do cliente, que pode ser realizado também pelo mensagens instantâneas. Feito isso, o cliente precisa fornecer o número de um documento e compartilhar com a empresa a a captura da tela com o comprovante de pagamento. O dinheiro fica disponível no cartão pré-pago, por exemplo, em 48 horas. "É uma opção para quem está viajando ao exterior, por exemplo. É uma forma de agilizar o processo", explica Bruna Xavier, que não revela números de transações da corretora, apesar de estimar que, nessas duas semana de operação, 15% das transações já são realizadas pelo WhatsApp 

Tudo o que sabemos sobre:
WhatsAppFacebookEmpreendedorismoPME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.