Adolescente cria impressora para deficientes visuais a partir de peças do brinquedo Lego

Ideia de Shubham Banerjee chegou a receber investimento da Intel

Estadão PME,

29 de janeiro de 2015 | 07h05

 

No Vale do Silício, nunca é cedo demais para se tornar um empreendedor. Prova disso é o caso de Shubham Banerjee, um menino de 13 que inventou uma impressora de material em braille - sistema de escrita tátil para deficientes visuais - com peças de Lego.

A invenção de Banerjee causou tanto impacto que a Intel, gigante da área de tecnologia, investiu na ideia do garoto o que pode ter sido o maior investimento de risco feito pela companhia em uma startup.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Após o aporte, o qual não foi divulgado, surgiu a Braigo Labs, fabricante de impressoras de baixo-custo. Mas, antes disso, a história surgiu de uma pergunta do menino feita aos pais para um trabalho escolar.

Ele questionou como as pessoas cegas liam. "Procure no Google", disseram os pais. A partir da pesquisa feita na internet, o garoto descobriu que as impressoras custavam por volta de US$ 2 mil, valor que poderia inviabilizar a compra por parte de algumas pessoas.

"Eu apenas pensei que aquele preço não deveria estar ali. Eu sei que há uma maneira simples de fazer isso", disse Shubham para o site da revista norte-americana Inc.

A ideia do pequeno empreendedor é construir um modelo que custe US$ 350 e que tenha um peso inferior ao dos modelos atuais. A máquina pode ser usada para imprimir materiais utilizando pontos salientes em vez de tinta.

Depois que a Braigo - nome que combina braille e Lego - ganhou inúmeros prêmios e apoio da comunidade de cegos dos Estados Unidos, o pai do garoto investiu US$ 35 mil para que a empresa fosse aberta. O dinheiro foi usado para construir uma versão mais sofisticada da impressora de Lego. O novo modelo, chamado Braigo 2.0, traduz texto eletrônico em braille antes de imprimir.

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoStartupImpressora

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.