Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

ACSP: confiança do consumidor é recorde em novembro

Taxa ficou no patamar de 170 pontos em novembro. Em outubro, o INC tinha sido de 157 pontos

Daniela Amorim, Agência Estado,

13 de dezembro de 2011 | 17h55

A confiança do consumidor atingiu patamar recorde em novembro, de acordo com o Índice Nacional de Confiança da Associação Comercial de São Paulo em parceria com o Instituto Ipsos (ACSP/Ipsos). A taxa ficou no patamar de 170 pontos em novembro. Em outubro, o INC tinha sido de 157 pontos, e, em novembro de 2010, de 159 pontos.

Segundo a ACSP, o otimismo entre os consumidores deve-se à redução da taxa básica de juros, além dos incentivos do governo ao crédito e da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para eletrodomésticos da linha branca, como geladeiras, fogões e máquinas de lavar. "Quando você tem redução de preços dos produtos, muitas pessoas entram no mercado", explicou Rogério Amato, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Entre as faixas de renda, a classe C lidera o cordão dos mais confiantes. O índice de confiança dessa faixa subiu de 163 pontos em outubro para 178 pontos em novembro. Em segundo lugar, estão as classes A/B, que passaram de 155 pontos para 171 pontos. Como contraponto, a confiança diminuiu entre as classes D/E, de 132 pontos para 125 no mesmo período. Segundo a ACSP, esse recuo é provavelmente efeito das perdas causadas pela inflação sobre a renda.

A região Sul continuou na liderança do otimismo em novembro, com 200 pontos, contra 193 pontos em outubro. Em seguida, a região Sudeste aparece com 173 pontos em novembro, ante 169 pontos em outubro. As regiões Norte/Centro-Oeste ficaram com 173 pontos em novembro, ante 143 pontos na leitura anterior, e Nordeste subiu de 120 pontos em outubro para 142 pontos.

O INC ACSP/Ipsos é medido através de mil entrevistas domiciliares realizadas em nove regiões metropolitanas e 70 cidades do interior brasileiro. O índice varia de zero a 200 pontos, sendo que acima de 100 pontos está na região do otimismo e abaixo de 100 pontos, na região do pessimismo.

Tudo o que sabemos sobre:
ConsumoVarejoEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.