Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Aberta a temporada de contratos para Copa do Mundo de 2014

Preparativos para os jogos e o fluxo de turistas no País renderão R$ 142,39 bilhões

Carolina Dall'Olio, do Estadão PME,

29 de julho de 2011 | 17h15

O sorteio das chaves das Eliminatórias da Copa do Mundo, que acontece neste sábado (30) no Rio de Janeiro, abre o calendário de eventos oficiais do torneio do Brasil. Daqui até julho de 2014, os preparativos para receber os jogos e o fluxo de turistas no País renderão à economia brasileira R$ 142,39 bilhões. A estimativa faz parte de um estudo realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), a pedido do Sebrae, para tentar dimensionar os ganhos que pequenas empresas podem ter com a Copa.

O levantamento, realizado em duas etapas, mapeou na primeira fase as oportunidades de negócios que podem surgir para empresas da construção civil, tecnologia da informação, turismo e produção associada ao turismo. As receitas podem ser geradas por contratos com governos, comitê organizador, patrocinadores do evento e, é claro, com o atendimento aos turistas.

“Na construção civil, vamos ter oportunidades na obras de infraestrutura e de transportes, como aeroportos e metrôs. No setor de turismo, atividades como artesanato e gastronomia vão ter destaque. E os serviços de telefonia e internet vão ser muito requisitados na área de tecnologia da informação”, enumera Luiz Barreto, presidente do Sebrae. “Para concretizar os negócios, entretanto, as pequenas terão de se ser competitivas e atender as exigências dispostas nos contratos.”

Segundo o estudo da FGV, um dos principais requisitos a serem cumpridos por fornecedores que quiserem abocanhar contratos da Copa é apresentar uma documentação completa, atualizada e regularizada.  Além disso, ter uma gestão profissional e adotar práticas de sustentabilidade são fatores importantes, que podem ser considerados critérios eliminatórios ou classificatórios, a depender do contratante.

Também foram mapeadas as principais dificuldades a serem enfrentadas pelas pequenas empresas na disputa por contratos da Copa.  Nos setores de tecnologia da informação e construção civil, por exemplo, muitas empresas estrangeiras já têm parcerias com grandes fornecedores nacionais – o que impede a entrada de outras empresas nessas negociações. “Quando as atividades a serem executadas são muito complexas, do ponto de vista técnico, a participação de micro e pequenas empresas também pode ser dificultada”, indica o estudo.

Mas há o outro lado da moeda. As pequenas empresas têm, por exemplo, algumas vantagens em relação às demais nas licitações do governo. Para contratos de até R$ 80 mil, elas possuem exclusividade de venda. Há outros contratos de maior valor que também podem exigir a subcontratação de MPEs, desde que o percentual máximo do trabalho a ser subcontratado não exceda a 30% do total.

Participar dessas licitações e de outros grandes contratos requer preparo, em especial nos quesitos mais burocráticos. Mas pode valer a pena. “A Copa possibilita o desenvolvimento empresarial” e outros “benefícios de longo prazo”, diz o estudo. Ao trabalhar para grandes empresas, para o governo ou para turistas estrangeiros, a pequena empresa vai se deparar com clientes muito exigentes e criteriosos. “E o aumento do grau de exigência força um maior preparo das MPEs, profissionalizando-as”, ressalta o estudo.

LEIA TAMBÉM:

Estrangeiro gasta, em média, R$ 11,4 mil na Copa

Cinco estratégias para conquistar grandes clientes

Artesão terá espaço para vender produtos na Copa

Copa pode prejudicar imagem do Brasil

Uso da biometria faz empresa lucrar com a Copa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.