Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

A última fronteira da nova medicina

Assim como o segmento do agronegócio, a área de saúde reúne diversas chances para uma série de empreendedores

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2016 | 05h00

De aplicativos para gerenciamento de prontuários médicos aos wearable devices, o mercado da tecnologia em saúde vem crescendo de forma exponencial no Brasil atualmente. Em pouco tempo, negócios com a proposta de reduzir as filas de espera em consultórios e hospitais, bem como otimizar a comunicação entre médico e paciente, ganharam muitos adeptos nos dois lados do atendimento médico. 

Segundo dados da consultoria PwC, os fundos de investimento e empresas do segmento de healthcare devem injetar R$ 17,43 bilhões ao PIB nacional até 2017 e o ecossistema de startups do País está atento a esse movimento. Com inspiração no mercado norte-americano, que deve somar até o fim deste ano cerca de US$ 4 bilhões investidos em aceleração de iniciativas com viés de saúde, empresas brasileiras apostam no desenvolvimento de facilidades para a rotina dos profissionais da saúde com a intenção de abocanhar parte deste mercado, que cresceu 160% em novos empreendimentos no último ano, conforme a Associação Brasileira de Startups (ABStartup).

O movimento tem se acentuado tanto que já vem sendo tratado como uma ‘corrida do ouro’ em busca de médicos que pretendem ampliar as possibilidades de atendimento e otimizar a rotina dos consultórios por meio da tecnologia. No Brasil, ainda de acordo com a ABStartup, 31% das empresas de tecnologia voltadas para a saúde têm como principal foco de criação os profissionais da área, enquanto 15% voltam-se para os pacientes. E essa distância tende a aumentar nos próximos anos em favor dos médicos.

De olho nessa curva ascendente, a Memed, startup paulista criada em 2012, planeja dobrar até o fim do ano o número de médicos atendidos - que hoje estão na casa dos 30 mil. A empresa cresceu 750% em 2015 com o foco – agressivo – no desenvolvimento de tecnologia para digitalização de prescrições médicas. Por meio de um software criado pela empresa, a prescrição é emitida de forma eletrônica e, até o próximo ano, a ideia de Ricardo Moraes, CEO de Memed, é desenvolver um sistema para o médico enviar a prescrição à farmácia.

Moraes analisa a fertilidade do ecossistema de startups de saúde com bons olhos e projeta aumento de soluções semelhantes à sua. “Na época em que nascemos, havia uma explosão de startups de e-commerce. Nas rodadas de investimento, éramos sempre um patinho feio”, relembra. “O que percebi ao longo desses anos é que, fora do País, a saúde virou a grande aposta do venture capital”, comenta. “Por aqui, temos uma população médica de 400 mil profissionais ativos. Esses médicos querem atender mais. Vejo perspectivas positivas para o curto prazo”, analisa. 

Esse otimismo também foi captado pela Berrini Ventures, única aceleradora de startups direcionada para iniciativas segmentadas em heathcare do Brasil. A empresa acelerou no último ano oito startups e vê na estratégia da mobilidade um caminho para a captação de recursos junto a fundos de investimentos. “A corrida do ouro está na ‘ubertização’ da saúde, em colocá-la em um aplicativo. O vencedor vai levar essa corrida”, comenta o CEO da Berrini Ventures, Fernando Cembramelli. “A tecnologia na saúde é a última fronteira do avanço cibernético. O médico que se forma atualmente já nasceu no meio digital”, analisa o CEO. 

Com o olhar voltado para esse jovem profissional, que já chega ao mercado inserido em um contexto tecnológico, a startup iClinic, nascida na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, propõe o fim da ‘papelada’ no consultório médico por meio da digitalização dos procedimentos médicos. O CEO e fundador da iClinic, Felipe Lourenço, calcula que 70% dos médicos à frente de pequenos consultórios e clínicas utilizam papéis em excesso na gestão diária e acabar com essa realidade é o foco do seu negócio.

“Há um desalinhamento da comunicação entre pacientes, prestadores de serviços e operadoras de saúde. As informações entre esses agentes não são compartilhadas de forma inteligente”, avalia o empreendedor. Lourenço planeja, para este ano, crescer em 250% o faturamento da empresa – o valor não é revelado por conta de um acordo com investidores da startup. A estratégia adotada pelo especialista será desatar uma busca frenética pelo profissional da área. “Vai fazer diferença quem focar na experiência e na necessidade desses três agentes. Quem realmente for a fundo e mapear quais são esses processos vai perenizar seu negócio.”

Associação. Diante das oportunidades que surgem, representantes do segmento se reuniram para criar a Associação Brasileira de Startups de Saúde (ABSSaúde), que será oficializada para o público no início de agosto. Liderados por Ricardo Moraes, da Memed, entre outros integrantes deste mercado, empreendedores da área miram agora a regulamentação de serviços ligados à tecnologia para expandir as possibilidades de soluções disruptivas no setor.

“As startups de saúde têm uma curva de maturação mais lenta que as demais. Os mercados de saúde tendem a encontrar entraves no ambiente regulatório e na percepção de tecnologia dos médicos”, comenta Moraes. “Não é um segmento fácil de regular. E, a partir de agora, as startups que surgiram há um tempo precisam de espaço fértil para crescer”, pontua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.