JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

A estratégia dos grandes: empresa quer que funcionários percam uma tonelada de peso

Empresa que atua no comércio de material de construção promete doar peso equivalente em alimentos

RODRIGO REZENDE, ESPECIAL PARA O ESTADO,

15 de maio de 2013 | 07h29

 A Dicico iniciou neste mês uma ação batizada de ‘Programa de Qualidade de Vida Dicico’. A iniciativa foi criada para incentivar todos os seus colaboradores a terem hábitos mais saudáveis. Dessa forma, as propostas são focadas em práticas esportivas e reeducação alimentar e, como não poderia ser diferente, têm como intenção estimular o colaborador a perder peso.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O programa é um caso prático da estratégia adotada por grandes empresas na gestão de funcionários. Ao mesmo tempo, pode ser usada sem custos exorbitantes por pequenos e médios empreendedores que desejam conquistar a fidelidade dos funcionários.

E é bom ouvir o que a empresa tem a dizer. A rede varejista de materiais para construção conta atualmente com 3,2 mil funcionários, que trabalham em 58 lojas espalhadas pelo Estado de São Paulo. Só no ano passado, a empresa faturou cerca de R$ 926 milhões.

Detalhes. Para começar, o desafio proposto pela empresa a todos os funcionários é eliminar, em conjunto, uma tonelada de peso em um período de três meses. Caso a meta seja alcançada, a Dicico promete fazer uma doação equivalente de alimentos não perecíveis para instituições de caridade.

“Essa é a primeira onda da campanha, vamos realizar outras com focos diferentes, mas com temas que envolvem saúde e bem-estar”, explica Gil Cohen, atual diretor de gestão de pessoas da Dicico. Segundo o executivo, esta é a primeira vez que a empresa investe forte em ações desse tipo.

As iniciativas eventuais são importantes, mas sozinhas não são capazes de gerar comprometimento dos colaboradores.

Por isso, a Dicico oferece diversos benefícios a seus funcionários, incluindo plano de carreira e premiações por performance (remuneração variável conforme metas alcançadas). A empresa também financia o estudo dos funcionários. “Não é muito comum no varejo oferecer bolsas de estudo, mas identificamos que os profissionais buscam esse desenvolvimento”, conta Cohen.

Para ele, entretanto, o pulo do gato é a motivação. Cohen conta que o segredo é manter um clima bom no ambiente de trabalho e dar uma perspectiva de carreira às pessoas. “O funcionário quer aprender mais e crescer”, finaliza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.