A cultura da inovação como mola propulsora do crescimento

A cultura da inovação como mola propulsora do crescimento

Confira como processos inovadores podem transformar um País

Marco Bezzi, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2016 | 16h16

A cultura da inovação tem de ser uma mola propulsora de crescimento. No segundo módulo do debate produzido entre Estadão e HP, o assunto foi discutido e a primeira pergunta sobre o tema foi feita pelo moderador para Newton M. Campos, professor de Empreendedorismo e Inovação da FGV/EAESP e do IE Business School. O questionamento pretendia saber se havia como medir o sucesso de um processo de inovação. Para Newton, entretanto, inovar é antes de tudo um fenômeno social e, por isso de ser quantificado. Segundo ele, há muitas ideias, mas ainda não existe no Brasil uma forma de se fazer cientificamente essa pesquisa, mesmo sendo possível medir as patentes criadas.

Já Marcelo L. Tambascia, corporate Lab. Head na 3M do Brasil, lembrou durante o bate-papo que a cultura da inovação da 3M sempre foi muito além do Post-it. “Vem de muitos anos”. Marcelo contou ainda que desde a década de 1920 a empresa dá 15% do tempo de trabalho de cada empregado para ele fazer algo diferente. Até hoje essa cultura é mantida. “O funcionário tem até budget para fazer algo inovador, que pode ir de US$ 15 mil a US$ 100 mil dólares. Isso o estimula. A 3M quer risco, mas o piso tem de ser concreto e firme.”

Tonico Novaes, diretor Geral da Campus Party Brasil, olha para muitos lugares do mundo para produzir seu evento no País. Por isso mesmo, ele aponta que, em relação aos Estados Unidos e Europa, o Brasil precisa aprender muito, inclusive o que é uma startup. “Hoje em dia qualquer nova empresa é uma starup, mas muitas vezes o conceito está errado. Antes o jovem queria ter uma banda de rock, jogar futebol, hoje ele quer ter uma startup. Para atender as novas demandas, Newton sugere, mais do que a literatura, se debruçar em quatro importantes conceitos: design thinking, effectuation, open inovation e lean startup. “A partir destes conceitos, você procura material.”

Outra ponto importa é a mudança de conceitos. Segundo Tonico, ele foi ensinado pelos pais e avós e hoje quem ensina são os filhos e sobrinhos. “Após a revolução industrial temos a revolução da internet.” Marcelo acha que a nova geração nasce com o espírito inovador. “É importante incentivar a inovação desde cedo, também nas escolas públicas. A 3M quer ensinar ciências e engenharia para os alunos da escola pública”. Para finalizar, Newton aposta no ensino à distância por Skype, em que alunos de diferentes países do mundo criam apps para resolver problemas do seu meio ambiente. O professor acha que é assim que o mundo vai se desenvolver.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.