Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

A Copa das Confederações decepcionou...resta esperar pelos lucros da Copa do Mundo

Hostels de Salvador e Rio de Janeiro não lucraram o suficiente durante o evento do meio do ano

MATEUS TAMIOZZO E SUELLEN AMORIM, ESPECIAL PARA O ESTADO,

02 de outubro de 2013 | 17h40

 A Copa do Mundo deverá superar o fracasso de faturamento da Copa das Confederações. É isso, pelo menos, o que esperam proprietários de hostels instalados em cidades-sede como Rio de Janeiro e Recife. Em junho deste ano, o resultado não passou nem perto do esperado para empresários do ramo ouvidos pelo Estado PME.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

No Rio de Janeiro, a subgerente Acácia Morena, do hostel Samba Palace, localizado nas Laranjeiras, afirma que a ocupação de camas do albergue no evento foi semelhante à lotação em feriados: em torno de 20% a mais do que a lotação média. Para a Copa do Mundo, porém, a expectativa é de um aumento de pelo menos 50%. 

No Manga Hostel, na região da Lapa, a proprietária Natália Tostes destaca que, durante a Copa das Confederações, não houve lotação superior a outros períodos do ano. O evento de 2014, porém, já tem reservas de 30% das 70 camas disponíveis. Para a final, não há mais vagas. Diante desse cenário, Natália espera ter um faturamento pelo menos duas vezes maior do que o habitual. Como medida para atrair hóspedes, ela pretende modernizar a área externa e organizar festas durante o mundial. 

O Recife é outra cidade que receberá jogos da Copa do Mundo. No HI Arrecifes Hostel, no bairro de Boa Viagem, a gerente Roberta de Souza Leão destaca que a expectativa é grande para o Mundial de 2014, apesar do movimento na Copa das Confederações ter sido abaixo do esperado. Ela pretende reajustar as tarifas em 60% para cobrir investimentos, como curso de inglês para os funcionários. Já existe procura para hospedagem no período: são brasileiros e estrangeiros interessados em uma forma de estadia mais em conta. “É um grande espelho para pessoas que não conhecem o Nordeste, para ver o que oferecemos aqui”, opina Roberta, se referindo ao evento. 

No Albergue Piratas da Praia, o proprietário Paulo Melo afirma que já investiu mais de R$ 100 mil desde o início do ano, se preparando para os grandes acontecimentos no País. A preocupação é em aumentar o número de vagas de 30 para 50, além de tornar o ambiente mais acessível e sustentável. Ele diz que o investimento partiu de seus rendimentos, pois falta incentivo governamental em estrutura e planejamento das cidades-sede. Melo ainda incentiva os funcionários, todos universitários, a estudar teatro, música e mágica, além de inglês e libras, para aprimorar o atendimento.

Tudo o que sabemos sobre:
copa do mundomundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.