REUTERS
REUTERS

76% dos jovens brasileiros sonham em ter o próprio negócio

Levantamento realizado pela FIRJAN mostra que busca por um mercado promissor é a principal razão para 66% dos casos

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo

10 de janeiro de 2017 | 17h10

Para 76% dos jovens brasileiros, ter o próprio negócio figura na lista de sonhos para se realizar ao longo da vida. Conforme aponta o estudo "Jovens Empresários Empreendedores", elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), dois em cada três brasileiros entre 25 e 35 anos têm como principal meta de vida deixar de ter um chefe e se dedicar a uma empresa. 

Na contramão do que indicam outros levantamentos em que o empreendedorismo por necessidade cresce de forma vertiginosa, em reflexo da crise econômica que permeia o País há três anos, uma das principais motivações destes jovens é a busca por um mercado promissor, que aparece em 66% dos casos entrevistados.  

“Nosso objetivo foi entender o comportamento dos jovens empreendedores, como eles decidem abrir o próprio negócio, quais são os desafios empresariais e as principais semelhanças e diferenças com empresários de outros países. Os empreendedores são importantes agentes de mudanças sociais", aponta a presidente do Conselho Empresarial de Jovens Empresários da FIRJAN, Poliana Silva.

As grandes capitais não são vistas por esses jovens como os principais destinos para a abertura de um negócio promissor. Para mais de 70% dos entrevistados, tanto as pequenas cidades como as capitais oferecem um ambiente atraente para novos empreendimentos.

Números. Apesar do cenário de empolgação apontado pelo levantamento da FIRJAN, a abertura de novas empresas perdeu o fôlego no ano passado, conforme aponta o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas. Entre janeiro e outubro de 2016 foram criadas no Brasil 1,7 milhões de negócios, quantidade 0,7% superior ao anotado nos dez primeiros meses de 2015. 

No mês de outubro de 2016, porém, houve queda de 1,8% nos novos empreendimentos em relação ao mês anterior. Foram 159 mil novas empresas registradas no periodo, número menor que os 162 mil de setembro. Quando analisado por setor, o empreendedorismo de serviço continua sendo o mais procurado. No período analisado pela Serasa, 62,8% do total de empresas abertas se encaixavam no setor. 

Pesquisa. O levantamento “Jovens Empresários Empreendedores” estuda o comportamento de jovens empreendedores do Brasil e de mais sete países: Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Espanha, China, Índia e Rússia. Foram entrevistados 5.681 profissionais, aproximadamente 600 entrevistas em cada país, com idades que variam entre 25 e 35 anos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.