Divulgação
Divulgação

70% das empresas que mais empregam ainda estão nas regiões Sul e Sudeste

Segundo o IBGE, empresas de alto crescimento foram responsáveis por gerar mais da metade dos postos de trabalho no Brasil entre 2007 e 2010

Estadão PME,

14 de novembro de 2012 | 11h20

 As regiões Sul e Sudeste ainda concentram o maior número de empresas de alto crescimento (EAC), segundo dados da pesquisa Estatísticas do Empreendedorismo 2010, divulgada nesta quarta-feira (14) pelo IBGE. Feito em parceria com o Instituto Endeavor, o levantamento aponta que de um universo de quase 33 mil empresas de crescimento orgânico - aquelas que aumentaram em 20% ao ano o número de empregados, por um período de três anos -, 70% estão localizadas nestas regiões. Sendo que desse total, aproximadamente 50% dos empreendimentos são de pequeno e médio porte.

"Com esses dados podemos tentar entender que movimento faz uma empresas bem sucedida no que setor ela atua e ver se é replicável para outros negócios", explica Amisha Miller, gerente de Pesquisa e Políticas Públicas da Endeavor.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

As atividades econômicas que mais impulsionaram as contratações nas EAC foram a indústrias de transformação, responsável pela geração de 568,8 mil empregos; atividades administrativas e serviços complementares (553,7 mil); construção (551,0 mil); comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (420,6 mil); e transporte, armazenagem e correio (204,1 mil).

Geração de emprego

Em comum, as empresas de alto crescimento orgânico têm idade média de 13,6 anos e representam 1,5% do total de empresas com pelo menos uma pessoa assalariada. Essa categoria, segundo o IBGE, foi responsável por gerar mais da metade (50,3%) dos novos postos de trabalho assalariados do Brasil entre 2007 e 2010. Do total de 5,4 milhões de novos empregos criados na economia no período, 2,7 milhões estavam nas EAC.

De acordo com a pesquisa, o Sudeste também detinha o maior percentual de empregados (52,9%). Já o Nordeste apareceu em segundo lugar, ocupando 19,7% do pessoal, seguido pelo Sul, com 14,9%. A região nordeste também apresentava a maior média de pessoas ocupadas por unidade local (77), seguido por Sudeste (69), Norte (64), Centro-Oeste (58) e Sul (48).

"Embora muitas empresas ainda fiquem na região sudeste, a presença delas no nordeste está aumentando e muitas têm escritórios na região, por isso o impacto da geração de emprego é maior lá", explica Amisha.

Em 2010, as empresas de alto crescimento orgânico ocuparam 4,3 milhões de assalariados e pagaram R$ 67 bilhões em salários e outras remunerações. No entanto, os salários médios pagos foram menores (2,4 salários mínimos) que as empresas ativas com funcionários assalariados (2,9 salários mínimos) e o quadro de empregados teve 8,8% a menos de mulheres e 28,0% a menos de pessoas com ensino superior completo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.