Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

60% dos consumidores usarão 13º salário para pagar dívida

Redução da atividade econômica e a inflação elevaram o endividamento dos consumidores

Agência Estado,

07 de novembro de 2011 | 14h55

 Pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac) com 631 consumidores mostra que 60% deles pretendem utilizar o 13.º salário para o pagamento de dívidas. Esse número era de 57% na consulta realizada em outubro do ano passado. "Isto demonstra que a redução da atividade econômica e a inflação elevaram o endividamento dos consumidores", afirma a entidade, no estudo.

Do restante dos consumidores entrevistados, 17% planejam usar esse dinheiro para comprar presentes, 12% vão poupar para as despesas comuns de começo de ano, 6% já receberam parte ou todo o 13.º em 2011, 3% pretendem poupar a parte que sobrar e 2% querem aproveitar os recursos para ajudar na compra ou reforma da casa.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

De acordo com a pesquisa, 76% das dívidas que os consumidores pretendem quitar com o 13.º salário são de cartão de crédito e cheque especial. Os compromissos com cartão de crédito atingiram 39% do endividamento e as dívidas com cheque especial alcançaram 37%.

Segundo a pesquisa, 80% dos consumidores irão utilizar cartões de crédito para as compras de natal. Os produtos mais procurados neste fim de ano serão eletroeletrônicos (74% das intenções), celulares (72%) e roupas (68%).

"Diversos segmentos de compras apresentaram uma redução na intenção de gastos dos consumidores (brinquedos, bens diversos, eletroeletrônicos, celulares, linha branca e móveis), demonstrando uma maior cautela e redução de gastos dos consumidores seja por conta de um ano de 2011 um pouco mais difícil seja por conta do cenário externo", afirma a Anefac.

Tudo o que sabemos sobre:
ConsumoDívidaConsumidorEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.