52% das micro e pequenas empresas brasileiras são familiares

Segundo pesquisa do Sebrae, sócios ou empregados parentes é prática comum em pequenos negócios

Estadão PME, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 09h14

Para começar um negócio é necessário um mínimo de investimento. Não à toa, ter um membro da família como sócio ou empregado é realidade entre a maioria dos pequenos negócios revela pesquisa do Sebrae. De acordo com o levantamento, 52% das micro e pequenas empresas brasileiras podem ser consideradas familiares, ou seja, possuem sócio ou empregado que são parentes. 

 

O estudo indica ainda que quanto maior o porte do negócio, maior tende a ser a participação familiar. O levantamento constatou que de cada 10 empresas de pequeno porte, seis são familiares. Quando a análise é feita entre as microempresas, esse número cai para cinco, de cada 10.

Gestão familiar.  Para que o negócio não atrapalhe as relações familiares, aponta o Sebrae, é importante separar a vida profissional da pessoal, como não misturar o caixa da empresa com o caixa pessoal. Outros pontos também merecem atenção. Ao envolver a família é preciso remunerar o funcionário parente como um profissional, conforme salário de mercado e função a ser desempenhada. Além disso, não é recomendável conceder privilégios ao empregado ou sócio só porque é membro familiar. O ideal é cobrar resultados com até mais rigor para dar exemplo aos demais. Sem essas precauções, quem perde é o negócio, que fica menos competitivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.