Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

46% aprovam o uso de celular como cartão de crédito

Apesar disso, ainda é grande o desconhecimento sobre essa modalidade de pagamento

Aline Bronzati, da Agência Estado,

20 de outubro de 2011 | 16h27

O uso do celular como cartão de crédito deve ganhar força e pode substituir o plástico em breve. Embora 46% dos usuários bancarizados desconheçam os diferentes serviços de banco pelo celular (mobile banking) e pagamento móvel (mobile payment), essa mesma parcela de entrevistados avalia de maneira positiva a utilização do celular como cartão de crédito. "O grau de desconhecimento é alto e há espaço para melhorar a comunicação sobre essas opções", reforça a 9ª edição da pesquisa Mavam Brasil (Monitor Acision de Valor Adicionado Móvel), divulgada pela empresa Acision.

Por ora, o serviço mais conhecido para clientes bancários é o alerta de transações de compras com o cartão de crédito (24%) via SMS. Além disso, são ainda poucos os estabelecimentos que aceitam o telefone móvel no lugar do cartão de crédito. Mas esse cenário tende a mudar. Cada vez mais bancos unem-se a operadoras de telefonia na tentativa de popularizar o pagamento com o plástico via celular. Recentemente, Banco do Brasil e Oi lançaram um cartão de crédito que poderá ser utilizado como cartão tradicional, inicialmente com a bandeira Mastercard, ou via celular Oi.

Porém, o uso do mobile banking via celular ainda é bastante tímido. Conforme a pesquisa, 10% dos entrevistados acessaram um site bancário com o seu telefone móvel, mas somente 4% concluíram o pagamento por meio do celular. Entre as operações mais realizadas pelo público bancarizado, a consulta de saldos foi a mais citada, respondendo por uma fatia de 15%. "Os resultados confirmam que, atualmente, o tipo de serviço financeiro móvel mais utilizado é o mobile banking em detrimento de pagamentos móveis, que têm baixa adoção, com um número menor de ofertas", confirma a Acision.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Também foi constatada uma diferença de gênero. As transferências bancárias foram feitas mais por homens (19%) do que pelo público feminino (11%), diferença também verificada no acesso ao site do banco (14% para os clientes masculinos contra 7% entre as mulheres).

A consulta de saldos por meio do telefone móvel é um item desconhecido por 57% dos usuários. Outro mito para os entrevistados é a transferência de saldos entre celulares. Uma das explicações é o fato dessa operação ter sido disponibilizada há poucos anos. Mais da metade dos entrevistados (64%) não sabe dizer se a operadora permite transferência de crédito. Somente 15% do público consultado afirmou que a operadora permite o uso dessa alternativa.

Para que os usuários bancarizados adotem o celular como um canal para a realização de serviços financeiros móveis no seu dia a dia, o sistema tem de ser seguro e transparente. Essa é a condição alegada por 69% dos entrevistados. Outras imposições são a não existência de taxa extra para pagar por transação (65%) e a possibilidade de bloqueio imediato no caso de roubo ou perda de celular (64%). "De um total de 18 opções de mobile money, 11 apresentaram alto potencial para a adoção sempre sob o pressuposto de que todos os requisitos definidos pelos usuários serão atendidos", destaca a pesquisa.

Mercado de VAS no Brasil

A telefonia móvel brasileira segue em ritmo de expansão em número de linhas, receitas por serviço de voz, e, principalmente, de serviços de valor adicionado (VAS). O último quesito respondeu por 20% das vendas líquidas dos serviços das operadoras móveis no Brasil. Esse mercado apresentou expansão de 31% entre junho de 2010 e o mesmo mês deste ano. "O crescimento de serviços de valor adicionado está relacionado à adoção dos smartphones, um dos motivos para que as vendas líquidas de terminais por meio de operadoras registrem crescimento de 37%", explica a Acision.

Dos 432,3 milhões de linhas existentes na América do Sul, 220 milhões estão no Brasil. No segundo trimestre de 2011, as vendas líquidas de VAS foram de R$ 2,48 bilhões. O líder dos VAS é a internet móvel, com 50% da receita total, equivalente a R$ 1,248 bilhão de março a junho de 2011. Já as vendas líquidas por SMS foram de R$ 992 milhões no segundo trimestre, alta de 29% rante igual intervalo de 2010, correspondente a 40% do VAS.

Do total de entrevistados na 9ª Edição do Mavam Brasil, cujo tema central foi mobile money, 83% das pessoas ouvidas tinham conta bancária (1.295 casos da amostra que possuem conta bancária), fatia ouvida para as questões relacionadas a banco móvel. No Brasil, aproximadamente 40% da população usa bancos, segundo a GSMA LA Serviços Financeiros Móveis.

:::LEIA TAMBÉM:::

::Aumenta o nível de sobrevivência das pequenas e microempresas em SP::

::Um paulistano em cada quatro almoça fora toda semana, aponta pesquisa::

::Empresário está otimista com vendas, diz pesquisa::

::Pequenos empresários estão mais confiantes, aponta pesquisa::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.