As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Franquias devem se associar a fundos de investimento?

Carolina Dallolio

27 de dezembro de 2011 | 19h07

Os fundos de investimento estão de olho em negócios franqueáveis e em redes de franquias já estabelecidas. O assunto foi tema de reportagem publicada na edição mais recente do Estadão PME. Mas será que vale mesmo a pena ter um fundo como sócio da sua rede?

Ao selar a parceria, a empresa consegue se capitalizar e profissionalizar sua gestão, maximizando resultados. Por outro lado, ao adotar estratégias de crescimento agressivas e instituir uma gestão profissional e impessoal, os fundos podem criar conflitos nas redes. “O principal risco para as franquias é o investidor querer mudar a essência da empresa e desvirtuar o negócio”, opina Ricardo Camargo, diretor da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Diante de prós e contras, acho que a resposta mais adequada à pergunta do título é: depende do perfil da empresa. Pelos relatos que ouvi, tendo a concluir que alguns tipos de negócio não se adaptariam de jeito nenhum à parceria com os fundos. Para outros, porém, a presença de um sócio investidor parece ser extremamente adequada. Resolvi então listar os dois casos. Confira:

PARA QUEM NÃO É INDICADO
– Redes controladas por um empresário/franqueador que não tenha interesse em dividir o poder e as decisões. Quem já sabe qual caminho trilhar e quer seguir sozinho pela estrada deve buscar outras fontes de recurso para financiar sua expansão.
– Empresas que já possuem gestão profissional e plano de expansão estruturado. É claro que os recursos poderiam ajudar a acelerar o crescimento da rede. Mas a própria venda de franquias pode ser suficiente para capitalizar a empresa sem a necessidade de entrada de um sócio.

PARA QUEM É INDICADO
– Redes familiares em processo de sucessão. Vender parte da empresa para um fundo de investimento mas, ainda assim, conseguir manter alguém da família no conselho tem se mostrado uma estratégia interessante para garantir a perenidade e a lucratividade do negócio.
– Redes que precisam ocupar mercado rapidamente, antes que a concorrência se instale. Nestes casos, além de fornecer recursos para expansão, o fundo ainda pode auxiliar a empresa a encontrar a melhor e mais rápida estratégia de crescimento.

– Redes que possuem um bom modelo de negócio e uma gestão pouco profissional. Neste caso, a chegada do fundo certamente ajudará a empresa a mudar de patamar rapidamente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: