As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brigadeiro virou febre, brownie virou franquia

Carolina Dallolio

09 de agosto de 2011 | 23h00

Quem acompanha o Estadão PME deve ter lido a reportagem sobre as lojas de brigadeiros. Esse tipo de negócio já virou febre, mas ainda não virou franquia. Em contrapartida, um concorrente gringo do brigadeiro – o brownie – , mesmo sem ser tão popular assim no Brasil,  já possui uma rede para chamar de sua.

Trata-se da Brou’ne. Os donos do negócio gostam de definir a loja como uma “browneria”, e não como uma doceria comum. Afirmam que ela segue o conceito  “comfort food” e destacam que a loja é voltada para o público AB. Os preços? Cada pedaço de 70 gramas de brownie é vendido por R$5,10. No cardápio, há ainda outras guloseimas, como cupcakes e cookies. 

A rede tem quatro unidades no interior de São Paulo: três em Campinas e uma em Jundiaí. E planeja desembarcar em breve na capital paulista. Quem se interessar em abrir uma franquia da marca vai ter de desembolsar R$ 40 mil de taxa de franquia e de R$ 113 mil a R$ 290 mil como investimento inicial. Os franqueados precisam pagar ainda 6% do faturamento em royalties e outros 2% em taxa de publicidade. O retorno do investimento é estimado entre 18 e 36 meses.

Mesmo assim, não parecem faltar interessados em abrir franquias da marca – a empresa estima fechar 2012 com 30 unidades. Será que também não está na hora das lojas de brigadeiro olharem com carinho para o sistema de Franchising?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: