As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil, Portugal e Estados Unidos na rota das franquias

Daniel Fernandes

07 de setembro de 2011 | 07h59

A revista Franquia & Negócios traz uma matéria, assinada por Tatiana Macedo, que chama a atenção e ao mesmo tempo nos apresenta um dado concreto sobre a força da economia brasileira atualmente.

Segundo a reportagem, há atualmente 69 marcas nacionais atuando por meio de franquias nos cinco continentes. São 700 unidades em operação no exterior. Só para se ter uma ideia, no ano 200, eram apenas 15 empresas. Portugal ainda é o País que mais recebe franquias de empresas brasileiras – há a proximidade do idioma, o que facilita as coisas, é verdade. Mesmo assim, na lista de países que recebem franquias brasileiras está os Estados Unidos e o Paraguai.

E a lista pode ficar ainda maior no futuro próximo. Alexandre Tadeu da Costa, dono da Cacau Show, uma das maiores empresas brasileiras, com faturamento anual na casa de R$ 1 bilhão, revelou recentemente ao Estadão PME a ideia de transformar a marca em multinacional. Por enquanto, o empresário é cauteloso: “o mundo não está em um momento muito ‘doce’ para nos receber, mas certamente o futuro da Cacau Show é ser uma multinacional”.

A força da economia brasileira demonstrada nos parágrafos acima, entretanto, esbarra, no mercado interno, nos problemas de sempre. O alto custo de vida nas principais capitais do País, especialmente em São Paulo, fez com que muitas empresas alterassem seu planejamento de expansão no Brasil. Elas agora buscam o interior para crescer, conforme revelou reportagem do Estadão PME.

– Leia a matéria sobre expansão das franquias.

Se o alto custo do aluguel – de pontos comerciais ou espaços em shoppings – revela-se uma oportunidade de negócios para empreendedores do interior, a situação também demonstra um pouco da falta de estrutura do País para crescer. É preciso desatar o nó da falta de estrutura do Brasil para viabilizar ainda mais expansão. E rápido, afinal, a velocidade da economia nunca esperou a boa vontade dos nossos governantes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: