Você trabalharia 18 horas por dia?

Daniel Fernandes

18 de outubro de 2016 | 06h00

Eu sempre fui um fã da Marissa Mayer, atual CEO do Yahoo e funcionária número 20 do Google, onde era responsável pelos produtos de busca. Se minha memória não falha, a primeira vez que ouvi falar dela foi em meados de 2006, quando li um artigo no qual ela falava sobre 9 princípios de inovação. Gostei tanto dos princípios, que comecei a acompanhar de perto tudo que ela escrevia, as entrevistas que dava, e fiquei bastante feliz com o anúncio de que Marissa seria a nova CEO do Yahoo. Era uma grande aposta. Mas, na minha opinião, ela era uma das poucas pessoas capazes de salvar o destino daquela empresa que fora uma das gigantes da indústria.
Em entrevista recente, Marissa Mayer falou sobre seus primeiros anos no Google e explicou que era possível, sim, trabalhar 130 horas por semana, desde que você tivesse um planejamento estratégico que incluísse quando iria dormir, quando tomaria banho e, mesmo, quando iria ao banheiro. Você leu certo: 130 horas por semana! Para deixar mais fácil de entender, isso significa 18 horas e 34 minutos por dia, 7 vezes por semana! Desde que li essa entrevista, não consegui parar de pensar sobre a quantidade de tempo que passo no trabalho.

Eu sempre trabalhei muitas horas, em todos os empregos que tive. Os motivos variavam. Às vezes, por causa de uma entrega com data marcada, outras vezes porque havia tanta coisa a ser feita que eu não conseguia pensar em ir para casa. E algumas vezes porque eu gostava tanto do que estava fazendo que simplesmente queria continuar trabalhando. Porém, uma coisa foi constante ao longo de minha carreira: quanto mais responsabilidades eu tinha, mais trabalhava. No Colab, empresa que fundei e onde trabalho hoje, chuto que devo trabalhar entre 60 e 80 horas por semana, mas isso varia de semana a semana.
O artigo 58 da nossa querida Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) diz: “A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite”. Quando comparamos minha jornada com a definida pela CLT, realmente parece que trabalho bastante. Porém, ao compararmos com o Google da Marissa, sinto que estive trabalhando meio-expediente minha vida inteira.
Não me entendam mal, não estou sugerindo mudar a CLT para que todos trabalhem o dobro de horas por semana. Eu também acredito na importância do equilíbrio entre o trabalho e o lazer. Mas saber que algumas pessoas bem-sucedidas, e que considero fora da curva, trabalham tanto assim (Elon Musk já falou que trabalhava cerca de 100 horas por semana), isso me fez repensar o quanto minha noção de trabalhar muito realmente significa trabalhar muito.
E você, trabalha muito?
Josemando Sobral – sócio fundador do Colab, apaixonado por tecnologia e nas horas vagas, baixa apps. Quer falar comigo? Me procure no Twitter @josemando.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.