Você sabe o que é marketing de experiência?

Daniel Fernandes

12 de agosto de 2014 | 08h16

Bruno e Juliano Mendes escrevem toda semana no Blog do Empreendedor
O uniforme dos funcionários. A seleção das músicas que tocam ao fundo – e o volume também! O conhecimento dos vendedores sobre os produtos que oferecem. A decoração única criada para uma loja ou restaurante. Esses são alguns exemplos de Marketing de Experiência, um conceito que conhecemos através de um amigo nosso, Carlos Ricardo (por muitos anos executivo da PepsiCo), quando ele nos indicou o livro “O novo mundo das marcas”, de Scott Bedbury.
Em suas páginas, Bedbury revela detalhes sobre sua participação no desenvolvimento das Niketowns, quando a empresa buscava uma forma de transformar a marca em sinônimo de uma experiência excepcional de compra na mente dos seus consumidores.
Antes de fundarem suas lojas conceito (uma estratégia que hoje é repetida por marcas de todos os tamanhos), eles não conseguiam garantir a exposição de todos os seus produtos e muito menos que os vendedores tivessem conhecimento suficiente para oferecer a melhor opção aos clientes. Com as Niketowns (a primeira fundada em Portland, nos EUA, com uma enxurrada de críticas e ameaças de boicote por parte de revendedores), a empresa conseguiu criar, de fato, “Cidades Nike” ao redor de todo o planeta, controlando cada detalhe da experiência de venda e fortalecendo seu diferencial no competitivo mercado em que atua.

Fomos apresentados ao livro de Bedbury logo nos primeiros meses à frente da Cervejaria Enseinbahn, em 2002. E vimos que estávamos praticando Marketing de Experiência “sem querer”. O bar que fundamos junto à fábrica, por exemplo, tem uma grande vidraça por onde os visitantes podem ver os toneis de preparação das cervejas – e, no começo, havia a possibilidade de visitar o interior da fábrica também. A música era alemã e ao vivo nas noites de quinta, sexta e sábado, e a decoração buscava enaltecer a boa cerveja e a amizade. Cada detalhe disso era importante para transmitir uma experiência inesquecível a cada cliente, fortalecendo o nome Eisenbahn através dessas sensações (Marketing Sensorial, outro jeito como chamam o tema do post de hoje).
Quando você precisa conquistar clientes nas prateleiras de lojas e supermercados, também é possível criar estratégias de Marketing de Experiência. Com uma embalagem bem feita, com informação clara, e produtos que ofereçam uma solução para seus consumidores, você já está tentando levar a eles sensações positivas em relação aos seus produtos. Nosso pack com a bisnaga de Kraeuterkaese e torradas superfina, que lançamos no primeiro semestre, está tendo uma resposta excelente nos pontos de venda, e acreditamos que isso se deve a essa preocupação em criar algo que os clientes vão gostar de comprar, e ter vontade de comprar de novo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: