Você está preparado para fazer relações públicas?

Daniel Fernandes

19 de agosto de 2014 | 06h44

Toda empresa nasce e se expande a partir dos relacionamentos que constrói. Dos fornecedores aos clientes finais, passando pelos colaboradores, contatos-chave e pela imprensa, é preciso conhecer, conversar e trocar informação com muita gente, o tempo todo – uma prática que, sistematizada, torna-se Relações Públicas, um dos elementos mais importantes para o marketing de um negócio.
Nos últimos anos, com o fenômeno das redes sociais, a internet virou um dos principais locais de atuação de Relações Públicas das marcas. Principalmente por ser uma forma fácil e barata de fazer algum barulho. Criar um perfil e abastecê-lo com bom conteúdo (e não apenas propaganda) é uma ferramenta quase obrigatória para empresas que atendem, seja com serviços, seja com produtos, o consumidor final. São as chamadas empresas B2C (Business to Consumer).
Por outro lado, é preciso estar pronto para receber sugestões e críticas, não raro bem agressivas (tempos atrás, fizemos um post bem interessante sobre o assunto no nosso blog, o Diário do Queijo. Quem é responsável pelas Relações Públicas de uma empresa (principalmente quando, no caso, é o próprio dono do negócio) precisa ter sangue frio e tato: responder educadamente costuma desarmar com eficácia um crítico feroz, e nunca, jamais entre em uma discussão pública com um cliente. Você até pode ficar famoso, mas de um jeito bem desagradável.
A internet não eliminou a necessidade do contato com a imprensa. É ilusão acreditar que, só porque sua página no Facebook tem dezenas de milhares de curtidas, os jornalistas vão lhe descobrir de alguma maneira mágica. É papel do empreendedor correr atrás de colunistas e repórteres especializados no setor em que opera, com no mínimo um bom press kit (release bem escrito, boas imagens com alta resolução, uma amostra do produto se possível) e um gancho, uma história que convença esses profissionais – que recebem enxurradas de novidades “inovadoras” todos os dias – de que vale a pena falar sobre o seu empreendimento.
Já citamos aqui no Blog do Empreendedor o especialista Al Ries. Ele escreveu um livro com sua esposa, Laura Ries, chamado “A queda da Propaganda e a ascensão do Relações Públicas”. Ao longo de todo o livro, eles detonam campanhas publicitárias milionárias, sustentando que anúncios não têm mais credibilidade. Viraram peças de arte, que não servem mais para a função para a qual foram criados: vender mais. Acreditamos que nem tanto, nem tampouco. Propaganda tem, sim, seu lugar. E pode trazer muitos resultados. Mas o que vemos normalmente é que essa ferramenta tem sido utilizada em excesso e em casos em que outras estratégias trariam melhores resultados.
O que vende? Na visão dos Ries, garantir espaço na parte editorial de jornais, revistas e websites, no corpo de reportagens especiais e artigos ou notas de famosos colunistas. É preciso manter contato com eles. Pode ser um jantar de lançamento de um novo cardápio. Pode ser um press kit diferenciado, como o que mandávamos para a imprensa nos tempos da Cervejaria Eisenbahn. Ou quem sabe um convite para visitar sua empresa e saber como são feitos seus produtos. A criatividade é a melhor amiga das Relações Públicas!
Falamos do público nas redes sociais, falamos da imprensa. Mas não pára por aí. Relações Públicas de verdade vai bem além disso. O empreendedor precisa dar o mesmo valor para seus fornecedores, mostrando-os que sua parceria é a melhor que existe. Precisa investir também em pessoas importantes do seu ramo: no nosso caso, o gastronômico, é necessário que tenhamos bons relacionamentos com chefs de cozinha e professores da área, por exemplo. Cada contato desse pode significar novas possibilidades para o seu negócio e novos patamares para a sua marca.
Este é o segundo artigo de uma série sobre os Quatro Pilares do Marketing que usamos em nossos empreendimentos. Semana passada, falamos sobre Marketing de Experiência. Nas próximas duas semanas, vamos abordar aqui Design e Inovação e Produtos Excelentes. Contamos com sua leitura!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: