Você deve ser o primeiro a acreditar no seu negócio, mas se for o único…

Daniel Fernandes

04 de julho de 2013 | 06h52

Adriane fala sobre negócios

Outro dia eu li sobre como se conhecer ajuda a gente a negociar melhor. Este é um ponto que devemos ter bem desenvolvido.  Negociar no dicionário é igual a fazer negócio, celebrar, concluir, ajustar. Usar as palavras certas, no momento certo. Isso é um dom. Valorizar seu produto ou serviço é decisivo para o sucesso.
Já li também que não adianta ser bom, você precisa ir alem disso, parecer bom aos olhos dos seus clientes. Tem que chamar a atenção, ter um diferencial. Por que escolher a minha empresa e não a outra? E o que dizer dos clientes que cotam com os nossos concorrentes e usam isso para negociar?
Por que ele quer fechar um contrato comigo com o preço do concorrente? O que isso significa? Como devo lidar com isso? Isso é poder de barganha. O cliente acha que se não barganhar não fez um bom negócio. Fica implícito que nós sempre temos margens para desconto. Às vezes não temos, mas damos mesmo assim, porque significa um investimento.
O que não pode ocorrer é todos os seus clientes terem esse perfil, aí você quebra sua empresa!
Ser empreendedor, mais do que ter respostas, eu acredito que é um estado de espírito. Você deve se questionar o tempo todo.  Eu sempre me coloco no lugar do cliente e imagino o que ele gostaria de ouvir e quanto ele gostaria de pagar.
Eu me pergunto: eu compraria esse serviço que estou oferecendo? Por quê? E assim vou aprimorando meu portfólio. Ter autoconfiança também é ponto fundamental para o sucesso. Você deve ser o primeiro a acreditar no seu negocio. Mas não pode ser o único, pois se for, tem algo errado!
Reveja seus conceitos!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: