Uma recompensa (financeira) para quem acredita no seu sonho

Daniel Fernandes

28 de maio de 2013 | 07h23

Renato fala sobre como motivar a equipe da startup

Ontem o Pedro falou sobre meritocracia. Em uma startup, todos o lucro é reinvestido no negócio, então, é mais difícil se falar em PLR e divisão de lucros. O mais próximo que conseguimos fazer de uma divisão de lucros e PLR é o stock option plan (plano de opção de compra de ações da empresa).
É uma prática bastante comum em empresas nascentes, principalmente de tecnologia, dar opções de compra de ações da empresa a funcionários-chave. Uma startup não consegue pagar os melhores salários do mercado, então, para atrair os melhores talentos e para motivar essas pessoas, a empresa pode oferecer stock options. É uma opção em que o funcionário tem de comprar ações da empresa a um determinado preço em um momento no futuro.
O mais comum é “converter” estas opções em ações no ato de um evento de liquidez, ou seja, quando a empresa for vendida, houver um IPO ou algum outro evento em que os acionistas recebam dinheiro da empresa ou de investidores.
Geralmente essas opções têm um período de vesting. É o tempo que o funcionário deve trabalhar para receber integralmente  as opções a que tem direito. Por exemplo, em um vesting de quatro anos, o funcionário poderia receber 25% a cada ano para que em quatro anos tenha todas as opções.
Distribuir as opções é uma atividade que pode ser anual, assim como a distribuição do PLR citada pelo Pedro. A cada ano, os diretores da empresa podem se reunir e decidir quem e quanto cada funcionário vai receber, de modo a deixá-los sempre motivado.
O maior problema desse modelo, principalmente aqui no Brasil, é que é muito difícil para o funcionário perceber o valor que essas opções podem ter. Quando o Google, o Facebook e outras empresas abrem capital na Nasdaq, muitos dos seus funcionários ganham muito dinheiro. Muitos deles tinham opções de compra de ações destas empresas e ao exercerem esse direito ganharam um pedaço do bolo.
O nosso problema é que ainda não temos muitas startups que viraram grandes empresas e fizeram IPO no mercado de internet, e aí é difícil acreditar que se pode ganhar dinheiro de verdade com as opções.
Eu também acredito no modelo de meritocracia e de partnership. Eu devo grande parte da minha carreira, antes de virar ‘startupeiro’ a uma partnership no mercado financeiro. Eu entrei lá como estagiário, passei por diversos cargos e um dia me ofereceram a oportunidade de comprar ações da empresa. Ela foi vendida e eu, como todos os outros que acreditaram, ganhei a minha parte.
O stock option plan é uma recompensa por uma aposta no nosso sonho. O funcionário acredita que a empresa pode dar certo e recompensamos ele com uma participação neste sonho.