Travel light, move fast

Daniel Fernandes

20 de setembro de 2016 | 15h37

Olá, pessoal. Meu nome é Josemando Sobral e este é o meu primeiro post aqui, no Blog do Empreendedor. Eu sou fundador do Colab, a rede social para a cidadania que usa a participação popular para melhorar a gestão pública.
Eu quero falar com vocês sobre um comportamento que vejo acontecer o tempo todo em conversas com potenciais empreendedores e até mesmo em diversas empresas: a síndrome do “só falta mais uma coisa”. Lembra aquele projeto em que você estava trabalhando durante seu tempo livre, e que nunca colocou no ar porque o website não estava tão bonito como as startups que você já viu? Ou, talvez, porque você ainda precisa desenvolver mais uma funcionalidade para que todas as pessoas queiram usar o seu produto? Quando você começar a prestar atenção, vai reconhecer a síndrome do “só falta mais uma coisa” em todo lugar, em diferentes níveis da sua vida e das pessoas a sua volta. Afinal, quem nunca deixou de começar a correr ou se exercitar porque “precisa” comprar um tênis novo?

Para evitar esse tipo de erro, há algum tempo venho internalizando alguns conceitos de minimalismo no meu dia a dia. O minimalismo é uma corrente artística que surgiu no Ocidente no período pós-Segunda Guerra Mundial e preza por remover todos os elementos até a sua qualidade essencial, e assim alcançar a simplicidade. Com isso em mente, sempre me questiono se cada “mais uma coisa” que aparece é realmente essencial para o que preciso fazer. Tem uma frase que adoro, que simboliza bem isso: “Travel light, move fast”, que em português seria algo como “viaje leve, mova-se rápido”.
Quando trazemos esse conceito para o universo do empreendedorismo, podemos facilmente utilizá-lo como uma maneira para nortear a definição dos processos dentro da empresa, focando sempre na criação de processos mais simples possíveis! Acredito que o desenvolvimento de produtos é o lugar que mais pode se beneficiar disso. Afinal, produtos simples são mais fáceis de manter e, também, mais fáceis de atualizar. E essa capacidade de mudança é uma das grandes vantagens das startups quando comparadas a grandes corporações, afinal startups conseguem modificar seus produtos mais rapidamente para se adaptar às necessidades dos usuários, enquanto grandes corporações possuem produtos complexos com várias dependências.
Então, da próxima vez que você estiver pensando em não lançar um produto por falta de algo, reflita bastante se não seria mais interessante começar pelo mais simples e seguir em frente, iterando, baseado naquilo de que seu cliente realmente precisa. Talvez aquela grande funcionalidade que você acredita que é essencial nem seja tão interessante assim!
Josemando Sobral – sócio fundador do Colab, apaixonado por tecnologia e nas horas vagas, baixa apps. Quer falar comigo? Me procure no Twitter @josemando.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.