Telefone sem fio

Daniel Fernandes

27 de março de 2013 | 08h40

Será que um brigadeiro pode se transformar em coxinha?

Quando eu era pequena, uma das minhas brincadeiras favoritas era o “telefone sem fio”. A gente contava baixinho alguma coisa no ouvido do outro e a informação ia sendo passada adiante até que a última pessoa que recebia a mensagem tinha que dizer, em voz alta, o que havia entendido.
A frase nunca chegava certa. Aos 5 anos era delicioso ver como as palavras mudavam quando passadas de uma pessoa para outra, mas com 30 e algum juízo, essa comunicação truncada não tem a menor graça, principalmente se acontece na sua empresa.
Quando soprou o primeiro vento de outono em São Paulo, notei, aos calafrios, que a temperatura da loja continuava marcando os mesmos 18 graus programados para refrescar o verão senegalês que visitou a cidade. Tomei um pingado pelando para conseguir mover meus músculos até o caixa e explicar para a Inês que a temperatura ali tinha que ser mais acolhedora. A mensagem foi literalmente a seguinte: “Inês, quando estiver frio lá fora, vamos manter a loja quentinha”.
Semana passada, alguns dias antes da Páscoa, vi da rua que o vidro da vitrine estava embaçado. Dentro da loja, os clientes suavam mais que tirador de espírito. E adivinhem? O ar condicionado estava desligado. Chamei uma das meninas da loja para entender o que estava acontecendo e ela me disse: “Ué, falaram que você proibiu de usar”.
E o “telefone sem fio” de Páscoa continuou. Passando pelo estoque – o famoso – flagrei um monte de embalagens jogadas num canto e pedi encarecidamente a todos que tivessem mais cuidado. A mensagem foi literalmente a seguinte: “Gente, não podemos desperdiçar caixas desse jeito”. Um dia depois, o nosso controle de qualidade começou a devolver 8 das 10 caixas de brigadeiro que saiam da cozinha porque estavam amassadas. Quando fui apurar a história, alguém disse que eu tinha falado que a partir daquele dia usaríamos as embalagens estragadas, para evitar desperdícios.
Pode? Depois desse dia, comecei a escrever  tudo o que eu falava para evitar ruídos. E foi assim que passamos a criar procedimentos. Se alguém tem alguma duvida, vai lá e confere no manual de como fazer cada coisa. Telefone sem fio, só wireless.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: