Tecnologia ajuda a criar políticas mais alinhadas às demandas do cidadão

Tecnologia ajuda a criar políticas mais alinhadas às demandas do cidadão

Ouvir a população antes de desenhar políticas públicas é uma das necessidades e um dos grandes desafios dos governos atuais; startup faz a ponte entre esses setores para evitar soluções inadequadas

Maure Pessanha

19 de janeiro de 2022 | 17h10

Ouvir e engajar a população na construção de políticas públicas alinhadas às reais demandas sociais – sobretudo das pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica – são os caminhos mais assertivos para combatermos a desigualdade no Brasil. E, o empreendedorismo de impacto socioambiental pode auxiliar a sociedade neste importante processo de construção da cidadania ativa.

Fundada por Tomaz Vicente e Bruno Rizardi, a startup de design participativo Catálise Social é um excelente exemplo. Negócio de impacto social que reconecta pessoas e governos para catalisar o impacto social por meio da colaboração e da tecnologia, o foco da atuação da Catálise Social está em transformar o jeito que se pensa e faz, no Brasil, políticas públicas – levando em consideração toda a complexidade do ser humano, ou seja, comportamentos, emoções, culturas, vivências, experiências e contradições.

No pilar de difusão do impacto pela tecnologia, o objetivo vai além de desenvolver boas soluções: a proposta é pensar e trazer as pessoas para cocriar iniciativas, já que a tecnologia se torna universal somente quando todos fazem parte do processo.

Com o trabalho de ampliação da participação cidadã em parceria com governos, a Catálise tem por meta fortalecer a democracia, abrindo as portas para que cidadãos possam ser mais ouvidos e representados nas decisões. Criar uma sociedade melhor passa exatamente por essa ampliação da participação popular.

Tomaz Vicente (esq.) e Bruno Rizardi, fundadores da Catálise Social. Foto: Mateus Darahem

O negócio já ouviu mais de 26 mil pessoas em diferentes meios e processos participativos. Um dos novos instrumentos para viabilizar essa visão é a Pesquizap, uma ferramenta que cria pontes entre os gestores públicos e os cidadãos. Com o suporte de um chatbot atrelado ao WhatsApp, informações qualitativas e quantitativas são coletadas de maneira ágil, digital e democrática.

No passo a passo, a primeira etapa é modelar uma pesquisa com ferramentas de design, na sequência, um questionário é elaborado e programado no chatbot. Os clientes podem acompanhar a taxa de resposta em tempo real e, ao final do processo, recebem uma análise e uma síntese dos dados coletados.

Na percepção dos empreendedores, ouvir os cidadãos antes de desenhar políticas públicas é uma das necessidades e um dos grandes desafios dos governos atuais, sobretudo para combater a implementação de soluções desalinhadas. Hoje, seis em cada dez brasileiros afirmam estar insatisfeitos com os serviços públicos digitais.

Portanto, melhorar a capacidade dos governos de ouvir a população e incluí-la no processo de definição, priorização e implementação de políticas públicas é um caminho promissor para que elas sejam mais humanas e efetivas.

* Maure Pessanha é empreendedora e presidente do Conselho da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.