Saúde pública é foco de negócio de impacto que usa dados para qualificar gestão

Saúde pública é foco de negócio de impacto que usa dados para qualificar gestão

Startup de saúde Sysvale, na Bahia, atua no âmbito governamental com soluções de softwares; inteligência de dados aplicada à gestão pública constitui ferramenta essencial para suporte à tomada de decisão

Maure Pessanha

12 de julho de 2021 | 09h55

A transformação digital tem conferido novo significado à inovação na área da saúde. A tecnologia – representada pelo desenvolvimento de aplicativos, sistemas de informação e plataformas, sobretudo – está proporcionando um real avanço no setor, mirando a melhoria da qualidade dos serviços prestados, inclusive, pelo sistema público.

Essas soluções propostas por startups, inclusive, têm despertado o interesse de investidores. A pesquisa Inside Healthtech Report, desenvolvida pela Distrito Dataminer, aponta que os serviços e produtos de base tecnológica – voltados para a categoria da saúde – receberam, nos primeiros meses de 2021, mais de US$ 90 milhões de investimentos no mundo. Esse volume representa 85% do total investido em 2020.  

O potencial de propor alternativas para endereçar os desafios da saúde pública é um dos temas que dialoga com os negócios de impacto social focados no setor. Um dos exemplos que trago é a Sysvale, de Juazeiro, na Bahia. Fundada em 2014, a empresa é uma healthtech que atua no âmbito governamental, fornecendo soluções de softwares para os municípios.

O negócio atua na superação da dificuldade no controle e acompanhamento do trabalho preventivo na área de saúde, bem como endereça solução para as dificuldades no levantamento de dados significativos para a tomada de decisão e atuação estratégica da gestão pública. 

Saúde pública é foco de healthtech; na foto, hospital público Emilio Ribas, em São Paulo. Foto: Tiago Queiroz/Estadão-24/4/20

A plataforma, chamada Cidade Saudável, agrega inteligência às informações coletadas, dando base à criação e melhoria de políticas públicas diversas, em especial, de promoção à saúde. Concentra dados e informações relevantes de outros setores como habitação e educação. O acesso rápido dos gestores às informações do próprio município possibilita à gestão pública uma atuação focada em necessidades reais e heterogêneas no território do município.

Isso, combinado com seis módulos estratégicos para saúde pública – ACS, Endemias, Central de Marcação, Vacinação, Previne Indicadores e Prontuário –, gera uma excelente taxa de retenção de clientes. 

Com o Cidade Saudável, os gestores têm acesso a relatórios, gráficos, mapas e indicadores de todo o município; também é possível acompanhar a produtividade dos Agentes Comunitários de Saúde e de Endemias. Como diferencial, possui tecnologia própria e parametrizável, além de módulos que podem ser escolhidos conforme a necessidade do gestor. Isso, combinado à tecnologia aberta, diminui o custo da ferramenta e gera economia para os municípios. 

A inteligência de dados aplicada à gestão pública constitui uma ferramenta essencial para a geração de evidências voltadas a dar suporte à tomada de decisão sobre fatores críticos que vão beneficiar a população em situação de vulnerabilidade socioeconômica. A pandemia – que aprofundou o abismo da desigualdade social no Brasil – mostrou o quanto nosso país carece de informações qualificadas e da leitura correta capaz de amparar medidas concretas de amparo social.     

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.