Sabonete com resíduos de açaí é exemplo de negócio da economia circular

Sabonete com resíduos de açaí é exemplo de negócio da economia circular

Repensar destino de rejeitos da cadeia do açaí faz empresa Ver-o-Fruto mirar desafios socioeconômicos e ambientais, temática em que tem atuado o empreendedorismo de impacto

Maure Pessanha

08 de dezembro de 2021 | 18h00

O Fórum Econômico Mundial aponta que as economias lineares – baseadas na lógica do “aproveite para desperdiçar” – provocaram um impacto irreversível no planeta e nos seus habitantes. Em contrapartida, o modelo de economia circular representa uma forma de repensar a maneira como projetamos, fabricamos e usamos produtos e materiais.

Nela, o nosso olhar se volta para enxergar o desperdício como uma falha de design e nos convida a regenerar os sistemas naturais, a tratar as causas profundas dos desafios econômicos, sociais e ambientais. É nesse contexto que o empreendedorismo de impacto tem atuado.

Um dos exemplos de negócios é a Ver-o-Fruto, que busca soluções para a sociedade a partir de uma nova destinação para os rejeitos da cadeia final do açaí. Na prática, a empresa – criada em 2019 por Ingrid Teles – transforma caroços em novos produtos, a partir da lógica da economia circular. Com o beneficiamento dos descartes dessa fruta, que é encontrada abundantemente em Belém e em sua região metropolitana, a engenheira desenvolveu um sabonete facial com os resíduos descartados pela agroindústria local.

O negócio surgiu a partir de uma pesquisa científica da então universitária – uma investigação que a motivou a fazer duas perguntas cujas respostas, aparentemente, não tinham conexão. Qual era o destino dos resíduos da manga e como os moradores ribeirinhos da Ilha do Combu – distrito de Belém – tinham acesso a água?

Sabonete facial criado por Ingrid Teles aproveita o caroço do açaí. Foto: Divulgação

A conclusão surgiu no formato da proposta de que o resíduo da manga poderia ser transformado em um meio filtrante, utilizado no tratamento da água para a população local. Premiada pela Anprotec, ela começou a vislumbrar o potencial de negócio que atualmente trabalha com o resíduo do açaí.

Hoje, a empreendedora mantém a sede do Ver-o-Fruto no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá), no campus da Universidade Federal do Pará, e acaba de conquistar o programa StartUP Pará – iniciativa do governo do Estado via Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) e da Secretaria de Planejamento e Administração (Seplad), com apoio técnico da Fundação Guamá. Para 2022, o plano é dar início a vendas nas principais capitais do Brasil, a começar por São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. 

Além do sabonete facial, Ingrid intensifica o trabalho de pesquisa e desenvolvimento com o objetivo de estudar novas soluções a partir do beneficiamento do resíduo do açaí.  Como uma das empresas selecionadas para o programa BNDES Garagem, na categoria Criação, ela tem planos de dar prosseguimento na área de tratamento de água para algumas ilhas próximas a Belém. A proposta é trabalhar o beneficiamento de um insumo que está disponível em grandes quantidades e contribuir para a diminuição da poluição visual, do solo e hídrica.

* Maure Pessanha é empreendedora e presidente do Conselho da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.