Revolusolar inaugura primeira cooperativa de energia solar em favelas

Revolusolar inaugura primeira cooperativa de energia solar em favelas

Iniciativa irá beneficiar 35 famílias do Morro da Babilônia e do Chapéu Mangueira, na zona sul do Rio de Janeiro, que terão uma redução em média de 30% dos gastos com a conta de luz

Maure Pessanha

27 de outubro de 2021 | 17h51

Um levantamento global do Fórum Econômico Mundial, que analisou os impactos dos investimentos em novas tecnologias de geração de energia, apontou que a estimativa para o Brasil é que, nos próximos anos, a indústria de energias solar e eólica terão potencial de gerar mais de 1,2 milhão de novos empregos e reduzir em 28 toneladas a emissão de gases de efeito estufa.

Um outro ganho muito relevante reside no acesso e na economia que beneficiam a população brasileira em situação de vulnerabilidade socioeconômica. E, nesse contexto, temos uma boa notícia vinda de um negócio de impacto socioambiental.

A Revolusolar inaugurou, semana passada, a primeira cooperativa de energia solar em favelas do País, no Morro da Babilônia e no Chapéu Mangueira, na zona sul do Rio de Janeiro. A iniciativa está beneficiando 35 famílias que terão uma redução, em média, de 30% dos gastos com a conta de luz. A Cooperativa Percília e Lúcio de Energias Renováveis – que possui esse nome em homenagem a duas históricas lideranças comunitárias, Tia Percília e Lúcio Bispo – contou com a instalação de 60 placas de energia solar no telhado da Associação de Moradores.

Para isso, a Revolusolar capacitou mais de 50 pessoas do próprio território como eletricistas e instaladores de energia solar e, para esse projeto, contratou cinco. Em agosto deste ano, a concessionária de energia elétrica do Estado homologou a usina.

Eduardo Avila e Juan Cuervo, da Revolusolar. Foto: Marco Torelli

O negócio de impacto socioambiental promove o desenvolvimento sustentável em comunidades do Rio de Janeiro por meio de instalações de energia solar, capacitação profissional de instaladores e atividades educativas. Dessa maneira, busca democratizar o acesso à energia limpa, estimulando bons hábitos de consumo de energia e apoiando a economia local.

A força dos empreendedores Eduardo Avila e Juan Cuervo está em enxergar que as moradias localizadas na periferia estão privadas de serviços básicos de infraestrutura como energia elétrica. As alternativas apresentadas por eles levam em conta a sustentabilidade ambiental e viabilidade financeira das pessoas em situação de vulnerabilidade econômica, porque a habitação representa uma das maiores despesas de consumo familiar – e uma parcela considerável dos gastos está atrelada a taxas desses serviços. 

A Cooperativa integra um plano de expansão da atuação da Revolusolar. Na favela Morro da Babilônia e na Chapéu Mangueira, a empresa já mantinha três instalações solares que geram R$ 15 mil de economia por ano para uma escola, um albergue e um restaurante. De acordo com os empreendedores, a primeira cooperativa é um projeto-piloto que integra um modelo que pode ser replicado em outras comunidades no Brasil e, posteriormente, na América Latina. 

A missão é construir uma metodologia replicável para apoiar o desenvolvimento sustentável de comunidades de baixa renda por meio da energia solar, articulando as diversas partes interessadas e com participação direta do público local. E, nesse processo, as lideranças comunitárias e os moradores dos territórios têm papel fundamental na construção desse novo modelo energético sustentável.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.