Quer abrir uma startup? Conheça 10 passos para empreender no ramo

Quer abrir uma startup? Conheça 10 passos para empreender no ramo

Entre tantas etapas e perguntas a serem feitas, o passo a passo do começo de tudo de uma startup pode ajudar a organizar as ideias para a criação da empresa

Ana Vecchi

19 de novembro de 2020 | 19h02

Imagino que este seja um artigo no estilo unicórnio de ser. Muitos querem saber os passos que conduzam ao sucesso de uma startup, aos milhares ou bilhares de dólares que viram notícia no mundo, assim como quais são as respostas às perguntas que novos empreendedores nem sabem que existem.

Nas consultorias que venho trabalhando, buscamos seguir uma ordem no mínimo básica, como as dicas a seguir, para um empreendedor que partirá em voo solo ou com sócios. Confira a seguir:

1. Tese

Antes de efetivamente abrir seu negócio, você deve responder à pergunta: qual dor do mercado você está resolvendo? Com essa resposta, você terá a certeza de que está iniciando um negócio com potencial de sucesso. Desde que exista esta dor e não seja o seu “feeling” que esteja lhe influenciando a decidir por algo equivocado.

2. Validação da tese

Antes mesmo de iniciar, valide se a dor que você diagnosticou é real. Não “ache que”. Pesquise, converse com pessoas dentro do seu perfil de cliente, entenda se a dor realmente existe e se sua solução resolverá o problema, da melhor e mais eficiente forma possível.

3. MVP

Construa um MVP (minimum viable product, produto mínimo viável), ou seja, a versão mais simples de um produto que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento. Coloque seu MVP para rodar, teste, faça adaptações para, então, chegar no produto e/ou modelo de negócio final, que irá ser o carro chefe de sua startup.

4. Business plan

Monte o business plan (plano de negócios) da sua startup, desenhe a estrutura que irá precisar (principalmente de pessoas) e tenha bem claro quais principais desafios, plataformas (web, mobile ou offline), praças de lançamento do negócio, fornecedores e parceiros você precisará. Um excelente modelo, dentre os que usamos, é o Business Model Canvas, uma ferramenta visual para ajudar a organizar ideias sobre um negócio. Assim, é possível criar (com criatividade e visão) um modelo de negócio descomplicado de ser consultado e atualizado.

Depois de validar a tese da futura empresa, testando suas ideias, é preciso definir os indicadores de performance, os chamados KPI’s. Foto: Michael Falco/The New York Times

5. Pessoas

Com o plano desenhado, vá atrás dos melhores profissionais de que seu negócio precisa. Não adianta querer economizar com pessoas, porque, se você investir em gente com muita experiência e vivência, elas ajudarão a construir criticando, dando sugestões e soluções. São o melhor investimento aliado à tecnologia.

É de extrema importância que, nesse primeiro momento, você tenha ao seu lado menos quantidade de pessoas, mas níveis mais seniores, que irão ajudar a alavancar seu negócio. Pense na possibilidade de equity para garantir que eles fiquem para crescer com sua empresa e não apenas em busca de altos salários.

6. KPI’s

Defina os indicadores (key performance indicator, ou indicador-chave de performance) que serão acompanhados diariamente no detalhe e que indicarão se o modelo está funcionando. Gosto da metodologia de OKR (para definição e rastreamento de objetivos e resultados-chave) que, inclusive, destrincha os KPI’s por áreas, de acordo com as metas definidas para a empresa.

7. Networking

Com o negócio sendo criado, inicie relacionamento com parceiros, concorrentes e, principalmente, investidores.

8. Lance seu negócio

Tenha uma agência de PR (assessoria de imprensa) e faça barulho no lançamento do negócio para seu público-alvo.

9. Invista em marketing

Digital, offline, influenciadores de acordo com seu negócio. Seja agressivo para crescer sua base.
Influenciadores: lembre-se de que não são meros cabides de produtos nem os manequins de lojas que falam via web! Têm que estar 100% conforme o propósito de sua empresa. Por falar neste engajamento, o influencer pode ser você! Empreendedores que criam seus negócios e, para divulgá-los, acabam se tornando influencers. Tem gente que leva jeito para as duas coisas, mas não é todo mundo, tá?!

10. Não pense em lucro

No primeiro momento, não pense em monetizar, mas investir para escalar o negócio! Se houver necessidade, vá atrás de investimento ou reinvista o que ganhar no negócio. No começo da startup, a chave é crescer!

Uma observação: quando você tem uma ideia da dor que vai tratar no mercado, várias pessoas se encantam e se candidatam a sócias. Enquanto estamos fazendo o business plan, todo mundo dá palpite. Mas na hora de por a mão no bolso, investir e enfrentar as dificuldades e desafios de verdade, é que você verá (i) quem veio para ficar, (ii) para encostar em você e (iii) para abandonar a nave antes dela decolar.

Não se aborreça, continuem amigos. Cada um tem seu momento ou seu papel na vida empreendedora startapeira. Sucesso, CEO!

* Ana Vecchi é consultora de empresas, CEO na Ana Vecchi Business Consulting, professora universitária e de MBAs, pós-graduada em marketing e com MBA em varejo e franquias. Atua no franchising há 28 anos em inteligência na criação e na expansão de negócios em rede.

Tudo o que sabemos sobre:

startupEmpreendedorismoempresa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: