Quem quer dinheiro? Cinco fontes de recursos financeiros para quem pretende abrir um negócio ou já tem um

Daniel Fernandes

20 de março de 2015 | 07h07

Marcelo Nakagawa é professor de empreendedorismo do Insper
Em tempos de vacas magras, em que muitos já perderam o emprego ou temem isso, abrir um negócio é sempre uma alternativa imaginada. Mas e o dinheiro para fazer isto? Antes de usar seu FGTS, conheça algumas fontes de recursos financeiros para empreendedores iniciantes.
A primeira fonte parece uma pegadinha de primeiro de abril, pois se trata de um recurso não reembolsável. Esqueça o termo complexo e entenda como “dinheiro de graça”. Como assim? Perguntam os que ainda não conhecem o PIPE da FAPESP. E este dinheiro pode chegar até R$ 1,2 milhão. Antes que embarque no “de graça até ônibus errado”, entenda que é “na faixa”, mas apenas para empreendedores que consigam apresentar um projeto de inovação tecnológica.
Também é preciso que alguém lidere tecnologicamente o projeto, que até pode ser o próprio empreendedor se conseguir demonstrar tal capacidade. A FAPESP também exige uma participação na propriedade intelectual, se isto for gerado no projeto. E a empresa precisa ter menos de 250 funcionários e estar sediada no Estado de São Paulo. Quer saber se teria condições de conseguir este dinheiro? Primeiro veja os projetos que já foram aprovados, principalmente os da sua área de formação acadêmica. Se achou um, dois ou mais projetos que acha que poderia ter desenvolvido, então leia atentamente as normas do PIPE e siga as instruções. Ficou com alguma dúvida? Participe do próximo bate-papo sobre o PIPE com a FAPESP que ocorre no próximo dia 1 de abril, as 9h.
A segunda fonte parece indicar que o dinheiro cai do céu, mas isto nem em primeiro de abril. Mas existe uma modalidade chamada de “investimento anjo” em que pessoas-físicas quase sempre sem nenhum vínculo preliminar com o empreendedor, mas com algum dinheiro investem em novos negócios em troca do direito de aquisição de uma participação acionária. Investidores anjos podem investir 20, 50, 100, 300, 500 mil. Alguns “anjões” podem investir até R$ 1 milhão ou um pouco mais. Onde encontrar estes seres? Há redes locais de anjos como a Floripa Angels ou Gávea Angels, mas é na Anjos do Brasil que a maior parte deles se encontra. Mas antes de você perder (ou ganhar) tempo buscando um investidor, pesquise mais sobre o assunto e entenda o que deveria saber antes de buscar um.
Agora se já tem uma startup de alto potencial de crescimento, você pode, com certeza, buscar o PIPE e investidores anjo. Mas fique atento, muito atento ao programa Inova Startup que a FINEP prometeu lançar ainda neste primeiro semestre. Pelo programa, a startup captaria R$ 150 mil ou 300 mil e em troca, a FINEP, teria o direito de adquirir 5% ou 10% da empresa, respectivamente. Se ficou interessado, assine o RSS da instituição e seja avisado assim que o programa for lançado oficialmente. Mas não fique esperando! Continue fazendo sua startup crescer e aumente as chances de captação do recurso.
Mas se você não se encaixa nas categorias acima e sempre sonhou em abrir uma franquia de uma marca já conhecida, alguns bancos oferecem linhas de créditos especiais para quem quer ser um franqueado. Mas antes de visitar o banco, consulte quais franquias o banco já tem convênio. Bancos como Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa atuam neste segmento.
Mas a opção que exige menos investimento para abrir um negócio é a categoria Microempreendedor Individual (MEI). É possível fazer todo o processo pela internet e a burocracia mensal é simples e barata. No MEI sua empresa fica isenta de tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL) e paga apenas o valor fixo mensal de R$ 40,40 (comércio ou indústria), R$ 44,40 (prestação de serviços) ou R$ 45,40 (comércio e serviços) referente à Previdência Social e ao ICMS (ou ao ISS). OK! O MEI tem suas limitações. O faturamento anual não pode ultrapassar R$ 60 mil e é preciso se enquadrar nas atividades permitidas, entre outros pontos mais relevantes. Mesmo que ache as limitações “limitadas” demais para o seu sonho grande, o MEI pode ser um excelente test drive para quem vai empreender já que você pode migrar para outra categoria e no MEI, a principal fonte de capital é você mesmo!