Quando o nome limita o crescimento de uma empresa

Daniel Fernandes

29 de julho de 2014 | 07h14

Semanas atrás abordamos aqui no Blog do Empreendedor a importância de criar novidades para o mercado afim de fortalecer a marca e alavancar as vendas de um empreendimento. E no final da semana passada, decidimos realizar uma mudança muito importante para o futuro da Laticínios Pomerode, empresa que compramos há exatamente um ano com o objetivo de desenvolver uma linha de queijos especiais.
Leia: o negócio que jamais daria certo no Brasil
A partir de agora, ela se chama Alimentos Pomerode. Apesar de parecer apenas uma simples mudança no nome e no logotipo (e no site, em breve), ela reflete algo muito maior. Muitas vezes, um empreendedor acaba limitando suas possibilidades de negócio, e não raro é o próprio nome, a própria missão, enfim, as diretrizes estabelecidas para um empreendimento, que ajudam a engessar sua visão.
Como “Laticínios”, estávamos limitados aos produtos derivados do leite. Mas temos grandes oportunidades em outras áreas da alimentação e precisamos estar atentos e abertos a isso. Como Alimentos Pomerode, não apenas nós, mas toda a equipe que trabalha conosco, começa a pensar a empresa diante de novos horizontes de atuação.
Desde o início deste nosso empreendimento, um dos nossos desejos era se tornar uma referência em cultura queijeira no Brasil. Para isso, queremos, além de oferecer queijos muito especiais, desenvolver alimentos que harmonizem com esses produtos, como geleias, torradas e mel, além de acessórios como facas e tábuas. São produtos que pretendemos lançar aos poucos no mercado.
A diversificação de produtos é uma das melhores estratégias, na nossa opinião, para garantir a perenidade de um empreendimento. Nem todos os segmentos vão bem o tempo inteiro. Quando investimos em mais opções, em diferentes tipos de negócio, mesmo que um vá mal por um período, um outro compensa e, na média, a empresa mantém sua lucratividade. Claro que, eventualmente, se um produto só dá prejuízo, é inteligente repensar a sua viabilidade.
A Apple, por exemplo, há muito tempo deixou de ser uma fábrica de computadores e mudou seu nome de Apple Computers para simplesmente Apple. Na semana passada, quem acompanha notícias sobre negócios, foi surpreendido pela notícia de que a do bem, aquela fabricante de sucos com um conceito bem bacana, está lançando uma daquelas pulseiras que monitora as atividades físicas do usuário. Um movimento sem dúvida audacioso, mas alinhado com a ideia de ficar atento a oportunidades em outros segmentos. Confira a notícia aqui
Bruno e Juliano fundaram a premiada Cervejaria Eisenbahn, um pub inglês em Blumenau e trabalhamna criação de uma marca de queijos bem especiais. Escrevem todas as terças aqui no Blog doEmpreendedor

Tudo o que sabemos sobre:

Blog do EmpreendedorEstadão PME

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.