Programar faz bem para a cabeça

Daniel Fernandes

09 de julho de 2013 | 07h48

Fazer o pessoal de negócio e de tecnologia falar a mesma língua era um desafio


Recentemente eu conversei com um amigo empreendedor que me disse que na empresa dele todo mundo tem que aprender a programar, independente da sua função. Eu acho que isto é um exagero, mas saber programar computadores deixou de ser uma coisa super especializada para poucos e cada vez mais é importante nas mais diversas profissões.
Saber um pouco de programação possibilita acelerar muito das tarefas que você tem que fazer no dia a dia. Sabe aquela planilha que você demora o dia inteiro para montar? Provavelmente você conseguiria fazer um programinha que geraria ela em 5 minutos. Todo mundo tem um monte de tarefas repetitivas no seu dia a dia que seria facilmente automatizável.
Além disso, aprender a programar te ajuda a entender melhor como o computador funciona, e aí você vai poder se virar sozinho quando o maldito travar. Você passa a compreender melhor o funcionamento do sistema operacional e os motivos que podem ter levado o programa a parar de responder ou ficar lento.
A vantagem mais importante, na minha opinião, é a lógica. Computadores são maquinas extremamente complexas e que operam segundo a lógica. Quando você escreve uma linha de código, o computador executa ela a risca. Ele não interpreta o que você escreveu e tenta colocar em um contexto onde aquilo faça sentido, ele vai executar exatamente o que está escrito.
Programar é como resolver aqueles problemas de lógica que vem nas revistas de palavras cruzadas, sabe? Faz bem para a cabeça.
Uma das coisas mais desafiadoras quando eu trabalhava no mercado financeiro era fazer o pessoal de negócio e o pessoal de tecnologia falar a mesma língua. Durante muito tempo focamos em fazer o pessoal de tecnologia entender de negócio. Com certeza melhorou o diálogo, mas ainda faltava alguma coisa quando estávamos planejando um projeto.
É difícil fazer uma pessoa de negócio entender que ela precisa pensar em TODOS os cenários possíveis. Fazer a pessoa de negócio entender um pouco de tecnologia melhora ainda mais este diálogo. Fica mais fácil entender porque aquela telinha simples vai demorar um mês para ficar pronta.
Fora que além de tudo isso, você pode realmente gostar da coisa e criar a próxima grande empresa de tecnologia. Quem saber você não faz o próximo Google ou Facebook… Eles não tem um dom natural, como dançarinos ou músicos, são apenas pessoas inteligentes que entenderam bem cedo o poder que você tem quando domina os computadores.
Eu não estou dizendo que todos precisem ser feras em programação. Existem milhões de assunto super avançados que muitas vezes nem os programadores experientes entendem se aquilo não faz parte do dia a dia, mas é fundamental saber mais do que simplesmente saber fazer um “PROCV” no Excel.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: