Procuram-se novas tecnologias

Daniel Fernandes

08 de janeiro de 2015 | 06h38

Oi, tem alguém aí? Ou está todo mundo na praia? =)
Acredito que já escrevi várias vezes aqui sobre o pioneirismo e inovação da Carbono Zero. Nascemos querendo ser a primeira empresa de logística 100% carbono zero, em um mundo dominado pelo combustível fóssil.
Meu sonho pessoal é ter trem, modal carente no Brasil e subestimado. Um País tão vasto como o nosso não pode depender somente do transporte rodoviário. Um País tão rico em rios, não pode negligenciar as hidrovias e um País que quer ser competitivo precisa ser mais inteligente.
Nossa matriz de logística é fraca e totalmente dependente do combustível fóssil. O transporte é parte crucial para qualquer produto, desde alimento e medicamento até a entrega do seu novo smartphone. Reflita com esse pensamento esdrúxulo: o uso de algumas substâncias químicas em alimentos seria necessário se existisse o teletransporte?
Imagine se o produto colhido na parte da manhã pudesse estar na sua casa a tarde? Isso é realidade em alguns países e sem teletransporte!
Fiz um post (clique aqui), usando como referência os Dabbawallas, que são entregadores de marmita e possuem um dos sistemas de entregas mais eficiente do planeta e sem usar um computador. Novamente faço referência para a Índia. A Índia tem uma malha ferroviária de dar inveja, a empresa é uma das que mais emprega no mundo, são milhões de pessoas que usam o sistema diariamente. A Índia é menor que o Brasil, fiz deslocamentos de mais de 500 quilômetros usando trens excelentes, como os Super Expressos que conectam Delhi a Mumbai.
Voltando ao ponto, temos demanda para novos veículos elétricos, tanto para carro, como para scooter, mas vejo que a lista de fornecedores é escassa. Os poucos que arriscam, principalmente no Brasil, esbarram em burocracias, falta de incentivos, caem na mesma vala do que ‘os concorrentes de combustível fóssil’, com seus lobbys políticos e fábricas ‘geradoras de emprego’. Sim, falta de tecnologia, mas acho que falta muito mais vontade política dos nossos líderes em querer fazer a mudança acontecer.
Deveria eu, então, mudar o título do post?
Enquanto isso, o pequeno empreendedor, um dos grandes responsáveis por fazer a economia girar, faz malabarismo para sobreviver.
Um abraço,
Rafael
 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: