Precisamos falar sobre os impostos

Daniel Fernandes

10 de setembro de 2015 | 07h25


Está de brincadeira esse pessoal do governo. Aumentar os impostos?
Sabe quem paga o aumento de impostos? Exatamente: os que pagam impostos!
Parou para pensar? Pois quem não paga não está nem aí para o aumento. Está é dando risada da nossa cara e embolsando o tributo no próprio bolso.
Por isso vim hoje aqui fazer meus convites para começar a pensar, a mudar, a fazer, em ações práticas.
Meu convite ao Consumidor:
Falamos muito sobre o combate à corrupção, mas pareceria que não estamos nos dando conta de que a corrupção nasce nas coisas do dia a dia, como atravessar um semáforo no vermelho, furar a fila, ultrapassar no acostamento, querer levar vantagem sobre os outros. São essas coisas mínimas, a origem da corrupção.
E eu coloco nesta lista nefasta a questão de nota fiscal. Imagine como o Brasil poderia ser diferente se não tivéssemos a sonegação enorme que temos. E quem não pede a nota fiscal, está sendo conivente com isso. Mude sua atitude, peça, cobre sua nota fiscal! É assim que começa a mudança: uma nota de cada vez.
Meu convite ao Empresário Sonegador:
Meu recado ao empresário que não dá nota fiscal é o seguinte: enquanto você guarda no bolso o dinheiro que é dos impostos, está enriquecendo com o dinheiro que é do governo e dos contribuintes, e está praticando concorrência desleal.
Você é um cara bacana, vizinho, entendo que a coisa está difícil, mas não fuja da responsabilidade com a comunidade. Quando você sonega, você impede o Brasil de distribuir mais benefícios e riqueza, seja na esfera municipal, estadual ou federal.
Não é questão de partidos, é questão de Cidadania! Por isso meu convite a fornecer nota fiscal, e assim ser parte da solução, não do problema.
Meu convite ao Governo:
O governo, em vez de apoiar quem paga os impostos, decide tapar o rombo do orçamento com mais impostos. Em vez de sair para a rua e cobrar os impostos de quem deveria pagar e não paga nada: a tal da impunidade. Só que com esta atitude está massacrando aos empresários que se esforçam para contribuir.
E quem cumpre com a obrigação de fornecer nota fiscal, acaba convertido no trouxa que paga a conta de toda essa estrutura Brasil nas costas. E o prêmio, qual é? Está em todos os jornais: mais imposto!
Uma teoria tributária interessante é a Curva de Laffer (veja mais no link aqui) que defende que, a partir de certo ponto, aumento de imposto representa menos arrecadação, por causa da incapacidade das empresas de sobreviver.
Com este pensamento em mente, meu convite ao governo é aumentar a base de arrecadação com impostos menores e mais acessíveis.
Vamos pedir a Nota Fiscal, ação direta de cidadania!
Eu caminho ao redor de meu bairro e posso contar nos dedos de uma mão os comércios que dão a nota fiscal de forma espontânea. A padaria, o café, a borracharia, o sushi bar, o restaurante chique, a livraria, a loja de molduras, o vidraceiro… ninguém dá nota. Será que ninguém se dá conta do mal que isso causa ao Brasil?
E quando peço a nota fiscal, fazem cara de quem foi ofendido.
Eu convido você, que está me lendo, a pedir de forma intensa a nota fiscal! E se você não quiser a nota, coloque na doação, que muitas entidades se beneficiam com centavos preciosos a cada nota fiscal doada.
É em pequenas atitudes como esta, ao nosso alcance, que se pode começar a mudar o país. O chato é gente que fala muito em mudanças, mas segue fazendo tudo igual.
Ivan Primo Bornes, do Pastificio Primo, acredita que as pequenas mudanças fazem uma grande diferença.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: