Pequenos problemas: melhor perder 2h do que 12h picadinhas

Daniel Fernandes

17 de abril de 2014 | 06h55

Rafael Mambretti escreve toda quinta-feira
O post de hoje é sobre probleminhas chatos e pequenos, mas que somados consomem bastante do seu precioso tempo e energia emocional. Ainda mais se você for como a gente, uma empresa pequena que é 100% dependente dos sócios.
Estamos vivenciando dois pequenos (grandes) problemas: internet e telefone. Telefonia, quando se tem o nosso tamanho, é o mesmo que se você fosse uma pessoa física. O atendimento é péssimo, demora para termos uma solução e você nunca entende por que antes funcionava perfeitamente e, de repente, tudo para de funcionar.
Você liga uma vez, duas, três e nada, o primeiro pensamento que vem é cancelar, aí logo em seguida vem ‘não, mas e os clientes? Eles conhecem esse número, como faremos?’, aquela velha raiz de não querer mudar e (se) colocar barreiras.
Começo a ser partidário de cancelar e trocar o serviço, mas e o número? Um novo, avisamos os clientes e com o tempo eles vão migrar, além disso, temos outro que também é bem conhecido.
Segundo ‘probleminha’: internet. De uma forma geral, até o presente momento (que estou sem internet e escrevendo esse post na minha máquina para – de alguma forma – enviar para o Estadão depois) não enxergo a fornecedora como o problema, mas sim interno.
Resolvemos colocar um roteador adicional, aí meu amigo(a), perdemos! Desde então a instabilidade reina e adiamos começar a resolver, pois bem ou mal funciona. De novo, a velha raiz do “deixa como está e não faz nada para mudar”.
Lição (aprendida) 1: melhor perder 1h-2h no começo e fazer direito do que 12h (picadinhas), entre oscilações e tentativas de conserto.
Lição (aprendida) 2: melhor pagar alguém, mesmo que você ache que você conseguiria resolver, que é fácil e que está “saindo caro” (porque o técnico vem aperta dois botões e pronto!). O seu tempo e energia valem mais que o dinheiro gasto.
Lição (aprendida) 3: para essas situações, decisões demoradas, muito democráticas (pergunta opinião dos outros sócios, discute, conversa etc), costumam mais atrapalhar do que simplesmente ir lá e fazer. No fim, gastou-se muito mais tempo, energia e recursos se fizéssemos do jeito prático e rápido.
Moral da história, essas pedrinhas podem machucar se não as tirarmos rápido.Ah, semana que vem conto se conseguimos resolver 😉
Até a próxima, Rafael

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: