Pare de parecer. Para ser você, pare de ser para os outros!

Daniel Fernandes

03 de junho de 2016 | 08h07

Dois minutos se passam… Hum… Quantos likes e shares meu post recebeu? Sem querer, penso em voz alta e minha filha de seis anos me olha com vários pontos de interrogação. Mais do que explicar o que são likes, shares, posts e redes sociais, fico envergonhado pelo motivo da pergunta.
Poucos se dão conta, mas rede social é um termo politicamente correto para um mural de egos. Se duvida disso, lembre-se da última vez que publicou algo e nenhum mísero mortal conectado se deu ao trabalho em clicar no ícone do joinha. Por isso, as primeiras (verdadeiras) redes sociais como eGroups, Yahoo! Grupos, Classmates, SixDegrees e mesmo Friendster fracassaram porque atendiam uma necessidade abaixo do que Facebook, Twitter, Linkedin, Instagram ou Pinterest resolve.
E mesmo agora, sua verdadeira rede social é atendida pelo WhatsApp, Gmail, Skype, Snapchat, e o próprio telefone celular, é claro. É aqui que estão seus familiares, amigos e conhecidos mais próximos e que acessa com mais frequência e interesse.
As chamadas redes sociais são cada vez mais pregões por joinhas (curtir) e setas para direita (compartilhar) e poucos conseguem ficar tanto tempo em uma bolsa de valores de egos com tantos falando sobre si ou de suas verdades ou outros berrando suas causas (que mudam a cada semana).
Na lógica da Pirâmide de Necessidades de Maslow, dado que as necessidades básicas (sobreviver), de segurança (viver) e sociais (conviver) estejam resolvidas, surge a necessidade do “querer ser” querido e reconhecido. São necessidades que, em geral, são resolvidas por fatores externos já que “parecer ser” já contribuiu para o aumento da autoestima e confiança das pessoas.

Daí a necessidade crescente de parecer ser o que os outros valorizam. Mesmo que não perceba desta forma, muitos empreendedores aprenderam a tirar proveito. Enquanto muitos tentam copiar o GoPro, poucos se atentam que sua câmera não filma momentos incríveis, ela gera mais likes e shares. Os organizadores do Lollapalooza sabem que os jovens não vão ao evento apenas pelos músicos presentes. Eles querem viver uma experiência surreal que possa ser compartilhada em suas redes sociais.
É isto que tem determinado o nível de status de cada pessoa em suas redes de relacionamento.
O problema é que esta necessidade comum a todos nós, pode começar a extrapolar, tornando-se uma escalada de encheção de saco, hipocrisia e até contravenções como ocorrem com as postagens de ostentação de itens roubados, armas e até cenas de crimes.
Muitos acreditam que ser para os outros é sua principal necessidade e se esquecem que há uma outra ainda maior que é ser o que é sendo você mesmo.
Mas para ser é preciso parar de parecer ou de querer ser. Ser é descobrir o não ser dos caminhos errados, portas fechadas e páginas não encontradas. Ser é se questionar de tempos em tempos desfragmentando crenças nocivas e atitudes tóxicas. Ser é estar continuamente em reconstrução. É tornar-se empreendedor de si mesmo!

Marcelo Nakagawa é professor de empreendedorismo e inovação do Insper

 

Tudo o que sabemos sobre:

Blog do EmpreendedorEstadão PME

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: