Os meus cachorros falam. E muito!

Daniel Fernandes

09 de maio de 2013 | 07h32

Empresária conta a rotina do seu trabalho


O nosso dia-a-dia na Nannydog é cuidar do bem-estar daqueles peludos que nos fazem companhia sem nenhuma pressa, que ficam ao nosso lado por horas, sem ‘perguntar’ nada. Pra eles não existe incomodo algum em nosso silêncio. Eles respeitam isso como ninguém.
Eles sabem identificar se estamos tristes e nos confortam e, se estamos felizes, são os primeiros a compartilhar o momento conosco. São nossos fiéis escudeiros, como um leitor do nosso Blog relatou outro dia em um comentário. Eles são nossos eternos companheiros. Na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza e principalmente na saúde e na doença.
Para os nossos cães não há diferença se estamos feios ou bonitos, se estamos bem vestidos ou temos um carro legal. Eles só querem a nossa companhia. Só.
Eles ainda nos brindam cumprindo tarefas incríveis. Emprestam seus olhos pra quem não enxerga, por exemplo. Como menosprezar esse ser, tão especial, que por muitos é considerado irracional?
Eles têm uma facilidade de aprendizado absurda. Nós é que temos que aprender a ter paciência, persistência e tranquilidade para conviver com eles. Eles têm muito a nos ensinar. Sempre.
E ainda tem gente que fala: ‘meu cachorro só falta falar!’ Pois eu afirmo que os meus falam, e muito! Do jeito deles. E eu entendo cada um dos meus três cães. Eles falam com os olhos, com gestos, com o corpo e com a voz. A Pituka, minha linguicinha, até late mudo! Ela late mudo umas três ou quatro vezes. Se eu não atendo aí ela solta a voz mesmo!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: