O que uma parafusadeira, o Plano Collor e pimentas têm a ver com empreendedorismo? Tudo!

Daniel Fernandes

15 de janeiro de 2014 | 05h33

Leo (à direita), com um dos sócios, vai escrever às quarta
Você já percebeu como estamos conectados ininterruptamente uns com os outros? Eu me dei conta disso outro dia, quando um amigo, às sete e meia da manhã, me enviou a seguinte mensagem: ‘Você me empresta sua parafusadeira?’. Pensei comigo: ‘Será que ele pensa que eu dormi com ele? Nem ao menos um bom dia?’
Notei que esse tipo de relação está se tornando cada vez mais frequente entre pessoas que usam as ferramentas digitais para comunicação. Grupos de mensagens instantâneas no celular são como um papo interminável, sem “oi” e sem “tchau”. Estranho, né? Da minha parte, é muito mais uma questão cultural de uma geração que nasceu offline. Talvez, para a geração do meu filho, isso será normal.
Hoje inauguro minha contribuição no Blog do Empreendedor 2014, do Estadão, com a missão de contar, semanalmente, um pouco do que vivo à frente de minhas empresas, com acertos e erros, frustrações e, sobretudo, o desafio de empreender no Brasil. E, para não parecer que dormimos juntos, deixe-me contar um pouco de minha história.
Sou mais um filho que arregaçou as mangas após ver a empresa da mãe definhar com o Plano Collor. Tive de aprender a gostar de trabalhar muito cedo e isso me ajudou a entrar no jogo da vida real. Depois de muito esforço para conseguir terminar o colegial, em 1998 ingressei no curso de desenho industrial, da faculdade FAAP. Em meu primeiro semestre na faculdade, consegui, sem nenhum portfólio em mãos, mas muitas histórias e vontade de aprender, um estágio no estúdio de uma tradicional agência below the line paulistana.
Em dois anos de muita dedicação, alcancei o cargo de diretor de arte jr., acumulando, desde então, alguns importantes prêmios do segmento. Aos 23 anos, eu e um amigo (e também ex-chefe) resolvemos ser donos do nosso próprio negócio e fundamos a Laika Design. Na época, não tínhamos dinheiro e muito menos clientes. Aproveitamos a onda do nascimento das ferramentas online e home office para criar o modelo virtual de trabalho.
Após um ano, fomos obrigados a nos mudar para um espaço físico, por conta do crescimento da demanda de projetos. Desde então, atendemos uma série de clientes em diversos nichos de mercado, o que nos deu uma bela base estratégia para criar e dar oxigênio às marcas. Diante desse rico ambiente, sempre senti a necessidade de ter um produto com o qual pudesse, sem pudor, ser nosso laboratório criativo. Foi aí que, no final de 2009, recém-divorciado, fui viajar ao Chile com meu primo e meus tios em busca de novas ideias e inspirações para minha vida.
Muitas coisas nos chamaram a atenção, porém a mais marcante foi a variedade de pimentas e a qualidade dos molhos encontrados por lá. Isso nos mostrou uma grande oportunidade em empreendermos algo realmente diferente em Santa Cruz do Rio Pardo, interior de São Paulo e cidade na qual meus tios e primos vivem. Foi assim que nasceu a DE CABRÓN – Chillis Gourmet.
Ficamos um ano pesquisando e testando o plantio das variedades, trabalhando o branding até executarmos efetivamente o projeto. Colocamos nossos primeiros produtos timidamente no mercado no segundo trimestre de 2012 e, rapidamente, a DE CABRÓN conquistou espaço no mercado e na vida das pessoas.
Inovamos a categoria: fomos a primeira marca a lançar um molho de pimenta com assinatura de um importante chef e fizemos combinações com sabores, como Chipotle e Goiaba, que até então não existiam. No início de 2013, tivemos uma grande surpresa: fomos um dos três finalistas do II Prêmio PME Estadão, na categoria Negócios Inovadores. Foi bem interessante receber esse reconhecimento, tratando-se de um projeto tão embrionário.
Hoje estamos em mais de 1,2 mil pontos de vendas entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, incluindo importantes redes varejistas. O ano de 2014 está começando com força total e se depender da gente, será muito picante.
Bom dia, boa tarde e boa noite. Muito prazer e até a próxima quarta-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: