O que fazemos quando ocorre alguma emergência

Daniel Fernandes

07 de março de 2013 | 06h53

Adriane conta como teve que lidar com imprevistos com os cachorros


Em quase 17 meses de empresa tivemos duas ocorrências importantes. A primeira delas foi logo no primeiro dia de trabalho, mesmo. Fui atender um PUG filhote, de dois meses, tudo ia muito bem, até que ele ficou interessado por uma abelha que passeava por sua sacada e ganhou um beijo em seu lábio! Correria! Medo de ocorrer um choque anafilático (um tipo de reação alérgica) por ser um PUG e eles normalmente já apresentam dificuldade respiratória.
Dificilmente uma única abelha causaria essa reação, mas como tudo é possível, e era meu primeiro cliente deu um nervosismo. Eu não tinha nenhuma medicação comigo. Eu peguei o cachorrinho e saí correndo para a clínica de uma amiga, bem perto da casa dele. Nós chegamos rapidamente, ele foi medicado e tudo acabou bem!
Outra ocorrência aconteceu recentemente, na última semana. Um dos cães que atendemos torceu o “pé” na volta do seu passeio, quase chegando à sua casa. Ele teve que voltar carregado. Até aí tudo bem não fosse seu peso e tamanho: 50Kg. Chegando em casa ele não levantou mais. E para explicar ao proprietário? Missão difícil. Eles sempre vão achar que aconteceu algo que não queremos dizer e que nós podemos ser responsáveis.
Nesse caso específico esse cachorro já tem um histórico de problemas musculares e ósseo, comprovado por radiografia, o que facilita que ele tenha essas ocorrências. Na sexta-feira à tarde nós voltamos para vê-lo e levamos uma colega veterinária fisioterapeuta que fez todo exame físico e concluiu que era apenas uma torção.
Nós o medicamos e deixamos ele quietinho. No sábado eu voltei para vê-lo e medicá-lo também. Ele já está tentando ficar em pé, mas ainda não tem segurança para apoiar a patinha no chão. Na segunda-feira nós o ajudamos a dar alguns passos, trocamos ele de lugar e ainda demos um banho de mangueira para refrescá-lo.A melhora é gradativa. E nós ficamos na torcida para que ele se recupere logo e volte a passear todos os dias!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: