O que acaba com o medo do seu cliente em confiar na sua empresa?

O que acaba com o medo do seu cliente em confiar na sua empresa?

É preciso entender qual problema você resolve e quem é o seu cliente; demonstrar conhecimento, mostrar como usar e facilitar o acesso também quebram esse medo

Redação

10 de agosto de 2021 | 18h30

Por Taís Fernanda Camargo Antonio, consultora do Sebrae-SP

Hoje, uma pessoa que está envolvida com a busca de melhoria para os empreendedores e empresários me fez essa pergunta. Por que as pessoas têm medo de ir aos cursos que estamos disponibilizando de forma gratuita no Sebrae?

E eu respondi que era por medo. A pergunta seguinte foi: como acabar com esse medo? Com conhecimento, com informações, com acesso, foi a minha resposta. Mas essa resposta nos levou a outra pergunta: como acessar essas pessoas, como buscar que elas nos conheçam, como fazê-las ver que os cursos podem contribuir para seus negócios?

Perguntas que respondo todos os dias para meus clientes: conhecendo quem desejamos atrair, entendendo qual o canal de comunicação que os atinge e mostrando que resolvemos os problemas deles. Parece tão simples, mas por onde começar? Também repito para meus clientes que devemos começar pelo começo, ou seja, o que você ou sua empresa quer vender ou ofertar tem alguém querendo comprar?

  • A resposta é sim? Ótimo, temos um começo!
  • A resposta é não sei? Hora de pesquisar e buscar entender esse mercado consumidor.
  • A resposta é não? Teremos que buscar outra alternativa, pois essa não é viável.

Primeiro passo dado, hora de buscar um banco de dados, criar uma massa para realizar a oferta para direcionar a solução do problema.

O que você ou sua empresa quer vender ou ofertar, tem alguém querendo comprar?

O que você ou sua empresa quer vender ou ofertar tem alguém querendo comprar? Foto: Pixabay

Já existe um cadastro? Vamos comemorar e começar a trabalhar com ele, sempre lembrando de continuar alimentando com novos dados e fazendo a higienização, retirando quem não está no perfil ou não tem interesse em nossos produtos ou serviços.

Não temos cadastro? Calma, vamos começar um! Pense em quais dados são importantes para o seu negócio e só peça aquilo que realmente importa para o contato com o cliente. Outra possibilidade é a utilização de parcerias e busca de ações de sorteios, iscas de marketing digital e criar uma estratégia de encontrar as informações, segmenta-las e usá-las.

Até aqui tudo viável, mas como vamos tirar o medo ou fazer o potencial cliente experimentar minha empresa?

Aqui não há uma única maneira, mas muitas sendo utilizadas com estratégias de venda mesmo. Vamos ver algumas delas aqui, mas saiba que você pode encontrar uma que seja especial para a sua empresa e que isso só é possível se você entende qual problema resolve e quem exatamente é o seu cliente.

Vamos começar mostrando que você tem exatamente o que o cliente está procurando porque precisa ou deseja. Vá direto ao ponto, não fique enrolando, diga o que seu produto e serviço pode fazer por ele. Começar esse processo com uma pergunta, que você já sabe que a resposta é positiva para a solução do problema é uma boa estratégia.

Como exemplo: sua empresa precisa vender mais? Sim! Então temos a solução. Ou você gostaria que o agendamento da sua manutenção do ar condicionado acontecesse com horário agendado e o profissional não atrasasse? Temos esse serviço e cumprimos com todos os agendamentos!

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Demonstrar conhecimento, mostrar como usar, passo a passo para acessar também são fatores que quebram o medo. Quando facilitamos o acesso, facilitamos também a compra. A sua empresa é fácil de acessar? Busque ser visto com frequência por quem pode te comprar.

Use seu site, Google Meu Negócio, app de mensagens, status de app de mensagens, redes sociais, cartão de visita digital e em papel, vitrine física e online, ou seja, esteja presente e se faça presente. Comunique-se e esteja sempre atento aos desejos e necessidades do público a ser atendido. Quem não é visto não é lembrando e quem não é lembrado não é comprado! Mas pense na estratégia, nos melhores canais, em ter continuidade, em ser visto e ser bem lembrado.

Será que o cliente perdeu o medo?!??

Pode ser que mesmo depois de tudo isso, ele ainda esteja com medo, pois não conhece ninguém que já comprou de você, da sua empresa, então, mostre para ele quem já comprou, quem já adquiriu e gostou, quem te indica.

Chamamos essa estratégia de validação social. É seu cliente falando bem de você, de alguma ação que você fez, do atendimento do seu funcionário, dos meios de comunicação, da sua empresa. Com essa divulgação de pós-venda, os potenciais clientes, que estavam receosos, perdem o medo, pois há um igual satisfeito.

Quantas vezes você já não consultou sites onde há os comentários de outros clientes? E as indicações, não são exatamente isso? Pois é, divulgar um cliente feliz contribui para que muitos outros se desfaçam do medo deles.

Todos os pontos descritos estão dentro do controle da empresa, do seu controle e esse é um fator essencial para que as ações possam ser colocadas em prática.

Então quando você se perguntar por que seus potenciais clientes têm medo de comprar ou adquirir um serviço ou produto, lembre-se que só depende de você, da sua empresa, que esse medo seja eliminado.

Outro motivo do medo ser deixado de lado é a necessidade. A urgência faz com que esse sentimento seja ocultado, escondido, mas não extinto.

Fazer algo assim dá medo, mas pode abrir portas, levar a resultados positivos ou simplesmente investir tempo e dinheiro em algo que não dará certo, não será útil, mas como sempre eu digo, aprender não ocupa espaço e nesse processo você pode encontrar pessoas importantes, amigos para o resto da vida, um local para o próximo negócio, uma oportunidade que não seria vista. Então, se está com medo, fique feliz, você está vivo e… vai com medo mesmo.

Tudo o que sabemos sobre:

EmpreendedorismoSebrae

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.