O grande perigo de crescer

Daniel Fernandes

02 de setembro de 2015 | 08h12

Acho que um dos maiores pesadelos para um empresário talvez seja enfiar o pé no acelerador com sua empresa, buscar o crescimento, em faturamento, e depois de todo esforço chega no fechamento do mês e olha no retrovisor e vê despesa colada na sua traseira.
Andar mais rápido naturalmente se gasta mais. É assim com tudo. Experimente viajar a 90km/h ou a 120km/h. Talvez no fim da viagem isolada não faça tanta diferença, mas no resultado acumulado ao longo de um ano após muitas, faz.
Gasta mais freios, mais pneus, mais tudo. Quem lembra do piloto Cole Trickle interpretado pelo Tom Cruise no filme Dias de Trovão que fazia volta rápida mas não conseguia completar a prova? Estourava pneu, acabava combustível, perdia o controle.

Outro bom exemplo: nosso corpo. Se você quer ser mais rápido no treino de bike ou na corrida, precisa se preparar para ser mais exigido. É a lei do universo. Tenho escutado de muitos consultores e empreendedores sobre o grande perigo de crescer. Muita empresa que cresce, quebra.
Receita e despesa não podem andar juntas. Precisa ter pulso forte e equipe muito bem treinada pra isso. Sabe porque? Quando se bate meta e fatura mais temos a sensação de que podemos mais. E essa é uma falsa sensação muito perigosa. Da mesma forma que para conseguir vender mais está nos pequenos detalhes. Gastar mais também está.
É mais do que natural que quando se está no azul ficamos menos criteriosos para os gastos. Dinheiro na mão é vendaval? Se não ouver um controle rigoroso, essas duas irmãs, Receita e Despesa,  vão andar juntas. Afinal elas são gêmeas. Nasceram juntas. Foram criadas juntas. Para se vender mais não é necessário investir mais? Com certeza. Nada se vende sozinho. Aliás, se alguém tiver case de sucesso que não precisou de algum tipo de investimento, me apresente, por favor.
Em maio, após receber muitos e muitos pedidos de pessoas moradoras de regiões em que não temos distribuição, que melhorássemos nossa loja online para podermos atendê-los, resolvemos investir em uma nova plataforma de e-commerce. Contratamos um consultor para nos orientar quais seriam os próximos passos. E para conseguir aprovar esse primeiro passo com nosso financeiro, tivemos que provar que isso não seria uma despesa e sim investimento. É nessa hora que seu talento para vendas precisa estar presente. Vale qualquer coisa pra vender a idéia. Levante dados, busque exemplos e mostre sua meta. Use seu faro apurado para identificar o que é despesa e investimento nessa história.
Mudamos o formato, reorganizamos as informações, melhoramos performance de acesso, ampliamos meios de pagamento e tornamos mais acessível. Investimos muito em relação ao que se tinha de receita naquele canal. Surpreendentemente em três meses tivemos um crescimento de 1.000% em receita direta. Isso mesmo, mil porcento.
E o mais interessante de tudo é que 91.2% das vendas é para um perfil é de cliente que não teríamos acesso se ficássemos somente no varejo tradicional de prateleira. Viva a internet! Viva as mídias sociais. Alcançar essas pessoas só é possível graças às ferramentas de campanhas direcionadas a perfis específicos que mapeamos mês a mês.
Olhando para trás fica claro que valeu muito o investimento, sobretudo porque ainda estamos longe de nosso limite. Agora a meta é ampliar a plataforma para atender os envios world wide via Estados Unidos. Em breve conto para vocês o resultado dessa próxima fase. Bora fazer valer o gasto, ou melhor, investimento.
Leo Spigariol, da De Cabrón, escreve toda quarta-feira no Blog do Empreendedor

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: