O empreendedor é a alma do seu negócio

Daniel Fernandes

21 de maio de 2014 | 06h38

Leo Spigariol escreve toda quarta-feira
Você está preparado para isso? Imaginar e sonhar a construção da sua própria empresa pode ser a melhor parte, quando você resolve dar, talvez, o mais importante passo de sua vida: deixar de ser assalariado e surfar no desafio de ter seu próprio negócio.
Vale a pena?
Minha reposta como um taurino teimoso? Vale.
Mesmo que, muitas vezes, você sofra na pele por isso. Então prepare-se, você e sua família, pois andar da carruagem pode não ser como você previa, ou como ilustravam em suas planilhas lindas de Excel. Situações adversas existem, mas você, imbuído de tamanho romantismo, talvez não previsse.
E isso é mais crítico e potencialmente maior quando você resolver entrar em um nicho de mercado que não conhece. Cansei de escutar que a inovação, em sua maior parte, nasce de pessoas que não estão contaminadas com os preceitos daquele segmento. Mas tais pessoas são as que menos conhecem os riscos e surpresas que podem destruir o sonho empreendedor, pois nunca viveram o dia-a-dia do nicho de mercado no qual estão enveredando.
Porém, não precisa ter medo. Siga em frente.
O processo de aprendizagem faz parte do negócio. Só não perca a mão, pois, aqui no Brasil, errar pode custar muito caro. Tão caro que talvez você precise vender tudo que conquistou para pagar só juros altíssimos.
Para iniciar minimizando riscos desnecessários, tenha um bom advogado societário para redigir seu contrato social. É uma das primeiras tarefas. Ou você vai esperar sua empresa valer bilhões ou seu sócio morrer de infarto fulminante para descobrir que por causa daquele template que a contadora lhe enviou, naquele dia lindo e feliz que você brindou com seu sócio e as famílias o início dessa nova jornada, faz com que a esposa dele, que não entende de nada do negócio, vá assumir a diretoria com você.
Viu? Tão óbvio mas acontece. E muito.
Uma vez li um estudo que dizia que o brasileiro era o empreendedor com a melhor capacidade de adaptação às mudanças de mercado no mundo. Por que será? Talvez porque nascemos em um grande campo minado e que precisamos achar alternativas para conseguir sobreviver. Todavia, independentemente de qualquer situação, esqueça o contra-cheque e, antes de mais nada, esteja preparado para aguentar esse processo de entrada no mercado, que pode durar um, cinco ou talvez dez anos.
Pegar aquela primeira bolada do saldo positivo e trocar de carro é um sonho tentador não acha? Talvez demore a se tornar realidade. Antes de tudo, por que não investir em pesquisa de mercado para entender melhor o perfil do seu consumidor? Investir em ferramentas mais eficientes de efetivação do discurso da sua empresa? Ou na tão falada “qualidade de vida de seus colaboradores”?
Qualquer negócio leva tempo e colher os frutos talvez seja a última coisa que você fará nessa jornada. Então cuide-se, pois só assim vai poder usufruir de todas as coisas boas que uma empresa pode lhe oferecer ,quando alcançar o equilíbrio nesse mercado desequilibrado. Enquanto o sucesso não chega, esteja preparado para dar tudo de si para seu novo empreendimento.
Tudo!
Não somente o capital que você vai tirar sabe-se lá de onde. Mas sobretudo sua alma, porque você é a alma do seu negócio.
Curtiu? Então multiplique. Repasse. Trafique. Contra bandeie esse conteúdo. Sem medo de ser feliz. E até a próxima quarta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: