O bom empreendedor não faz nada

Daniel Fernandes

08 de maio de 2014 | 06h46

Rafael Mambretti escreve toda quinta-feira
Pode parecer contraditório, mas é a mais pura verdade. Quando se é empreendedor, o ato de “não fazer nada” pode significar fazer grandes coisas.
Já havia sentido essa necessidade na prática, mas – até então – nunca tinha sido apresentado ao termo. Significa que tirar horas, dar um tempo, dia(s) ou até semanas pode fazer maravilhas para você e para o seu negócio.
Muitos anos atrás minha avó construiu uma casa na praia, quando o litoral sul era praticamente uma praia deserta, daquelas que sempre buscamos, mas estão cada vez mais distantes.
Em um final de semana qualquer estávamos lá e encontramos um amigo cuja família também havia construído a casa na mesma região anos atrás; ou seja, diversas fases de nossas vidas se encontram ali. Conversando descobri que ele montou uma pizzaria, que estava dando um duro danado, mas estava indo bem. Estava planejando ampliar e tinha recém saído de um curso/semana de imersão (bem conhecido) sobre empreendedorismo.
Ele explicou que você fica uma semana inteira dedicada a esse curso em tempo integral e que é bem puxado, mas recompensador. Recomendou o curso para mim e para meu irmão, que de pronto respondemos:
– Não temos tempo.
Ele parou de falar, olhou para nós e disse:
– Então já tem coisa errada. Se você não consegue ficar uma semana fora da sua empresa, então existe um problema.
Na hora fui levado a uma reflexão e concordei com ele. Realmente, se você não consegue dedicar algumas horas, dias ou até mesmos semanas para você, que na verdade serão para seu negócio, então há um problema.
Tenho tentando fazer/implementar uma vez por semana o ócio criativo. Na verdade, vou conseguir fazer um pouco mais que isso, mas isso é assunto para outro post. Gostaria que todos os sócios adotassem e, quem sabe no futuro, expandirmos para toda empresa.
Um abraço, Rafael
 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.