Nós tomamos um caldo!

Daniel Fernandes

13 de fevereiro de 2014 | 05h37

RAFAEL MAMBRETTI ESCREVE TODA QUINTA-FEIRA
Existem várias expressões: olha a onda! Olha a avalanche! Se ficar o bicho pega…
Todas tem significado similar, ou seja, sua situação vai mudar drasticamente, em um momento se está de pé na prancha e no seguinte, prendendo a respiração e nadando rumo a superfície.
Empreender pode ser uma constante de ‘caldos’, como dizem os surfistas. Muitas vezes, o negócio cresce e te leva junto sem você nem saber. Planejar é sempre importante, mas é mais importante que vender? Faturar? Controlar gastos?
Ouvir os comentários dos funcionários? Fazer reunião com a equipe? Tudo isso é importante e precisa ser levado em conta, mas existem circunstâncias, que podem te forçar a ter que priorizar um em detrimento do outro.
Nós vivenciamos (e ainda vivemos) essa situação. A empresa cresceu, o trabalho aumentou, a equipe aumentou, mas os nossos processos, a nossa forma de nos organizarmos (através de processos), não evoluiu no mesmo ritmo.
Resultado? Tomamos caldo! Agora, estamos nadando de volta à superfície. Na nossa hierarquia de prioridades, abrimos mão de algumas coisas – ao longo do caminho – para eventualmente retomá-las e foi isso que nos levou ao caldo. Portanto, preparem-se para essas situações, será preciso escolher do que abrir mão, mas abrir mão não significa negligenciar!
Ter um escopo macro ajuda, não precisa estar em papel ou no power point, pode estar na sua cabeça, mas é importante ter esses milestones avisando que, em um determinado momento, você terá que dar atenção total à aquela atividade ou poderá comprometer o seu crescimento.
Até a próxima e um abraço,Rafael

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: