Nós podemos escolher quem vamos atender?

Daniel Fernandes

04 de abril de 2013 | 07h40

Exercer a tolerância ajuda a empresa


Muito se fala em atender bem o cliente, em ter um bom canal de comunicação para entender suas necessidades, fala-se da importância de um pós venda e por aí vai.
Por outro lado, nós que trabalhamos com serviços, podemos escolher quem vamos atender?
Pergunto isso porque às vezes, todos nós, encontramos em nosso caminho alguém que nós não gostaríamos de manter em nossa carteira de clientes. Seja pelo seu comportamento, pela falta de empatia ou de afinidade.
Momento difícil. Principalmente para quem está em plena fase de crescimento e buscando clientes no mercado.
No nosso caso o nosso cliente final é sempre um cachorrinho, o que nos dá uma boa margem de tolerância. É pensando nele e no serviço que prestamos a ele que nos focamos nesse momento.
Como voltará a ser a rotina dele se desistirmos? Temos motivos suficientes para deixar de atendê-lo? Seu dono procurará uma alternativa? As perguntas não param.
Até agora só aconteceu uma única vez. Tínhamos uma questão delicada que era um cachorrinho de “pais separados”. Não foi difícil desenrolar a situação e ainda outro dia eu soube que ele está bem.
No seu dia a dia, como você lida com essa questão? Participe dando sua opinião!
 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: