Negócio de impacto apoia a profissionalização de pequenos empreendedores

Negócio de impacto apoia a profissionalização de pequenos empreendedores

Para facilitar a gestão e profissionalização dos pequenos negócios, o aplicativo Agenda Boa auxilia na organização de pedidos, recibos, documentos e ordens de serviço

Maure Pessanha

29 de junho de 2022 | 11h00

Levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) – com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério da Economia – aponta que as micro e pequenas empresas estão puxando a criação de empregos formais em 2022.

Comparadas com as médias e grandes empresas, as MPE abriram 470,52 mil vagas a mais no País nos primeiros meses do ano, tendo o setor de serviços como o de maior destaque, com 117 mil postos abertos. Para se ter ideia do impacto, dos 700,56 mil postos de trabalho formais criados no Brasil entre janeiro e abril, 76% tiveram origem nos pequenos negócios.

Esses dados mostram, claramente, que os pequenos negócios são a maior fonte de empregos no Brasil em 2022. Demonstram, também, que há uma demanda grande por serviços de apoio a esses empreendedores e empreendedoras. E é aqui que entram os negócios de impacto social como a Agenda Boa.

Hans Page (à esq.) e Christoph Friedrich, fundadores do aplicativo de gestão para autônomos Agenda BOA. Foto: Artemísia

Criada em 2017 por Hans Page e Christoph Friedrich, o negócio tem como missão desenvolver a melhor tecnologia para valorizar os autônomos e os pequenos negócios do Brasil. A ferramenta – que já soma mais de um milhão de downloads – facilita a gestão do negócio de forma simples e prática, tendo por objetivo profissionalizar pequenos negócios para que passem mais credibilidade para os clientes.

Por meio dele, autônomos, MEI e pequenos empreendedores de todos os segmentos podem organizar os próprios pedidos, compromissos, orçamentos, recibos, documentos, as ordens de serviços e controlar as próprias finanças. A solução é indicada, prioritariamente, para negócios do ramo da construção, climatização, manicure, assistência técnica, confeitaria, manutenção, pintura, eventos, veículos e elétrica.

A transformação digital de pequenos empreendedores é essencial, porque fortalece o negócio à medida que dialoga com um apoio real para o aumento da produtividade. A adaptabilidade ao universo digital, que passa pelo letramento digital, é uma chave importante para que o micro e pequeno empreendedor possa vencer os inúmeros desafios da jornada empreendedora no Brasil.

* Maure Pessanha é empreendedora e presidente do Conselho da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo.

Tudo o que sabemos sobre:

EmpreendedorismoSebraemicroempresastartup

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.